Tratamentos para a impotência sexual

Milhões de homens sofrem de impotência sexual em todo o mundo. Os avanços que tiveram lugar nesta matéria têm servido para que hoje existam muitos remédios como o Maxcontrol e tratamentos para a impotência sexual. A seguir algumas das razões que estão por trás deste problema e o que fazer para resolvê-lo.


Tratamentos para a impotência com medicamentos (MaxControl)


Os tratamentos para a impotência mais utilizados são aqueles que envolvem o  MaxControl  são muito eficazes, mas e não precisa ser prescrito por um médico. Não fazê-lo pode ter um efeito totalmente contraproducente e piorar o problema.


Os Comprimidos são o formato mais comum na hora de tratar a impotência. Existem diferentes tipos e algumas somente um médico pode receita-las. Há que ser muito rigoroso na hora de respeitar as doses. Há listas para um efeito imediato e passageiro, enquanto que outras se fazem com mais freqüência para um efeito mais duradouro.


Tratamentos para a impotência com hormônios


Às vezes, a impotência tem que ver com alguma alteração hormonal. Por exemplo, em alguns tratamentos de depressão com depressão ocorre uma diminuição importante da testosterona. Alguns decidem abandonar o tratamento, mas isto é um erro. Pode-Se encontrar uma alternativa compatível para tratar o problema emocional e repor os níveis hormonais que ativam o desejo sexual.


Tratamentos para a impotência com dispositivos artificiais


Foram concebidos muitos dispositivos como um tratamento para a impotência. Alguns são utilizados para provocar a ereção e depois se retiram. Outros são implantados diretamente no pênis e são ativados na hora de manter relações sexuais.



  • Sistemas de vácuo. O pênis é introduzido na cavidade, e lhe extrai o ar. Este vazio obriga as cavidades venosas se encham de sangue e cria a desejada ereção.

  • Implantes. Por meio de uma prótese se consegue a ereção no momento que se deseja. Usando um sistema que funciona com uma bomba manual se introduz ar no aparelho e se eleva o pau. É uma solução mais drástica do que outras, é utilizado nos casos em que nenhum outro tratamento está funcionando.

Tratamentos para a impotência com a psicologia


Muitas vezes, o problema da impotência é uma questão mental. O stress e a ansiedade desencadeiam a impotência. É importante recorrer a um especialista que o ajude a gerir estes sintomas.


A tristeza também pode influenciar negativamente. A depressão ou um desengano amoroso são algumas das causas que provocam a disfunção.


A baixa auto-estima também é determinante na hora de manter relações sexuais sem problemas. Estar muito preocupado ou pensar em algum tipo de complexo, obstam a desfrutar do momento. Discuti-lo com seu parceiro, que saiba o que sente e deixa que te ajude. A certeza de que para ela o assunto que te faz sentir tão mal, não é grave. É o mais adequado para ajudar a superar a impotência sexual.


Tratamentos para a impotência por meio de relaxamento


Para diminuir a tensão que interfere na potência sexual, é necessário o controle da mente e um estado de relaxamento. Por meio de diferentes terapias, é possível relaxar.


Em muitos casos, isso é suficiente para que se resolva o problema da impotência.


Além de desfrutar dos benefícios no momento em que se está sob tratamento, também se pode fazer a longo prazo. Nestas sessões, te ensinam como fazer para relaxar em qualquer situação.


Tratamentos para a impotência por meio de ondas de choque


Um tratamento inovador, mas que está dando bons resultados é a aplicação de ondas de choque. Por meio de uma máquina se faz um tratamento com ondas de baixa frequência. O resultado é que se estimula a circulação sanguínea. Uma melhora na circulação sanguínea ajuda para que ocorra a ereção e que ela dure mais.


Dicas para evitar a impotência sexual


A melhor solução para a impotência é ter hábitos de vida saudáveis, de modo a evitar um comprometimento físico, que dê como resultado da impotência.



  • A alimentação. O excesso de gordura tem uma relação direta com a disfunção. Por este motivo, há que evitar as refeições ricas em gorduras saturadas, como a pastelaria industrial, os fritos, e assim por diante. Também é necessário que se consumam suficientes de frutas e legumes. Estas fornecerão os nutrientes necessários para que se produzam as conexões entre o cérebro e o pênis, e para que ocorra uma correta e duradoura ereção.

  • O tabaco e o álcool. O uso do tabaco e o abuso do álcool tem um efeito direto sobre a potência sexual. Há que evitá-los por completo ou, pelo menos, até um grau razoável para manter o vigor por muito mais tempo.

  • O descanso. O descanso é extremamente importante para manter a atividade sexual. O cansaço diminui a libido, pelo que há que dormir horas suficientes no dia e tentar levar uma vida o mais tranquila possível. Isso não quer dizer que não tenha que ter nenhuma atividade, mas que esta não deve ser tão cansativo como para que diminua ou elimine o desejo.

  • A atividade física. O esporte ajuda a melhorar os níveis de testosterona, influenciam diretamente a potência sexual. O esporte em sua justa medida é um grande aliado para evitar a impotência.

  • O estresse. Para evitar que o estresse seja uma causa de incapacidade há que ser equilibrados. Ter responsabilidades e cumprir com elas é inevitável e necessário, mas se são muitos ou muito pesadas, o cérebro irá priorizar e utilizará as forças nestas tarefas, descurando o apetite sexual.

Agora você já conhece os principais tratamentos para a impotência sexual.

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Tratamentos para a impotência sexual

Acidentes em casa, mais frequentes em época de férias

Ao contrário do que se pensa, o período de férias pode se tornar trágico, sem precauções adequadas, pois os acidentes em casa aumentam 30%, especialmente em crianças. Os especialistas recomendam ter cuidados e monitorar as crianças.


Com a chegada das férias, os pais de família enfrentam outro tipo de problemas, agora em casa. Isto se deve a que a casa é o lugar onde ocorre a maior quantidade de incidentes que, em sua maioria, deixam sequelas para a saúde.


Acidentes em casa, mais frequentes em época de férias


De acordo com o Comitê de Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS), os acidentes são eventos não premeditados cujo resultado são danos pessoais identificáveis. Trata-Se, pois, de eventos que involuntariamente decorrentes de lesões nas pessoas envolvidas, e apesar de serem espião numa sede de comando, devem ser realizadas diversas ações para mantê-los à margem.


Os mais comuns


Dizem que “a curiosidade matou o gato”, e esta frase é totalmente aplicável em crianças, que por estar mais tempo em casa passam a vasculhar, elaborando algum jogo para divertir-se e explorar o meio.


“Os acidentes caseiros são mais frequentes quando os pequenos têm fome, ou estão cansados, ou, se são muito ativos, estão sob o cuidado de pessoas diferentes das habituais, ou encontram-se em ambiente diferente (nova casa ou residência de verão, por exemplo). Além disso, geralmente os imprevistos ocorrem quando os pais estão ocupados ou não têm plena consciência dos riscos que a criança vai adquirindo à medida que cresce”, adverte a Dra Maria Luiza Hernandez Lagos, pediatra formado pela Universidade Autônoma Metropolitana (UAM) e especializada no Centro Médico Nacional, Século XXI, do Instituto Mexicano do Seguro Social (IMSS), localizado na Cidade do México.


As estatísticas revelam que é durante a temporada de férias de verão, quando os acidentes em crianças aumentam até 30%, sendo as consequências mais frequentes queimaduras, traumatismos craneoencefálicos (socos na cabeça), fraturas em ossos longos (braços e pernas) e intoxicações por ingestão de medicamentos e produtos de limpeza.


De acordo com a entrevistada, entre a ampla gama de acidentes, destacam-se:



  • Queimaduras. Produzidas pelo Sol, fogões, lâmpadas, cerillos, charutos, fogueiras e líquidos quentes conteúdos em uma panela, banheira ou aquecedor.

  • Golpes na cabeça. Por causa de quedas, cadeiras, camas e outros móveis ou escadas.

  • Intoxicações. Geradas pelo consumo de medicamentos, produtos de limpeza ou jardinagem, inseticidas, tintas, solventes, adesivos, combustíveis, perfumes e bebidas alcoólicas.

  • Atragantamiento. Por comida ou objetos, ou bem, bloqueador provocada por cordas, fitas ou cordões de brinquedos e aparelhos domésticos.

  • Objetos parados em alguma fossa nasal. Pequenas pedras, pastilhas, peças de brinquedos, feijão ou ervilhas.

  • Cortaduras e arranhões. Produzidas por unhas afiadas (quer sejam as da criança ou adulto), garras de animais ou objetos punzocortantes.

  • Fraturas e entorses. Por causa de quedas, batidas ou atropellamiento. Cabe destacar que os infantes se quebram os ossos com maior facilidade que os adultos, porque têm áreas moles nas extremidades de cada estrutura óssea, chamadas “placas de crescimento”.

  • Contusões. Hematomas causados por quedas ou pancadas.

  • Problemas nos olhos. Causados por poeira, areia ou outro tipo de elementos estranhos.

Mais vale prevenir


Considera-se que mais da metade dos acidentes acontecem em casa e que nos três primeiros anos de vida, este percentual sobe para mais de 80%. Diante disso, a Secretaria de Saúde convida toda a população a apreciar prazeroso e seguro período de férias, por isso exorta-os a tomar as medidas de precaução necessárias para se manter saudável dentro e fora de casa.


Em casa:



  • Guarde os medicamentos e produtos de limpeza, debaixo de chave e fora do alcance de crianças.

  • Não coloque substâncias tóxicas em embalagens de refrigerante.

  • Use inseticidas longe dos alimentos.

  • Para evitar que seu filho sofra afogamento, não deixe recipientes com água perto dele.

  • Não deixe que o pequeno ligue aparelhos elétricos.

  • Evita que as crianças brinquem na cozinha.

  • Evita que corram ou brinquem nas escadas ou perto delas.

  • Coloque protetores de plástico para os plugues ou tomadas de corrente eléctrica.

  • Não deixe que o pequeno se aproxime do fogão ou aquecedor.

  • Não carregue a teu filho enquanto cozinhas.

  • Impede que as crianças brinquem com objetos punzocortantes.

Na rua ou em lugares públicos:



  • Anda pela calçada.

  • Atravessa a rua nos cantos.

  • Antes de atravessar uma avenida ou rua, virar para ambos os lados e caminha com cautela.

  • Não cruzes correndo.

Fora de casa:



  • Não se exponham por tempo prolongado ao Sol, especialmente nas horas em que a radiação é mais forte (11:00.m. às 4:00 p. m.).

  • Evita que as crianças brinquem em locais descobertos ou que estejam sem camisa, já que o Sol pode causar lesões graves, como queimaduras que, em muitos casos, favorecem o desenvolvimento do câncer da pele.

  • Utilizar sempre protetor solar para se defender dos raios ultravioleta (UV).

  • Lembre-se também de comer em lugares limpos, lavar as mãos antes de comer e depois de ir ao banheiro, beber somente água fervida ou engarrafada, e preferir peixes e frutos do mar fritos ou cozidos.

Na estrada:



  • Verifica-se que o desempenho de seu veículo seja adequado e que tudo esteja em ordem e em bom estado: pneus, freios, óleo, gasolina, luzes e ferramentas.

  • Usam sempre o cinto de segurança.

  • Respeita os limites de velocidade.

  • Não deixe que ninguém se saboreie ou tire alguma parte de seu corpo do auto.

  • Se você dirige, não ingieras bebidas alcoólicas.

  • Evita ir ao volante quando você se sente cansado e, se o percurso for longo, procure tomar curtos períodos de descanso de, pelo menos, a cada quatro horas.

  • Respeita os sinais de trânsito.

Sempre acompanha e permanece atento às atividades dos pequenitos, embora, é claro, isso não significa que lhes causar temor ou medo, já que também é importante que aprendam a saber onde está o perigo, sem sobreprotegerlos.

Publicado em ECO | Comentários desativados em Acidentes em casa, mais frequentes em época de férias

10 mitos sobre a sexualidade da mulher

Culturas machistas, como as dos países latinos, relegam a sexualidade feminina e tiram valor, gerando informações que nem sempre é verdadeira, prejudica as relações do casal e, por vezes, põe em risco a saúde.


Mitos-Sexo-Feminino


Parece incrível que em pleno século XXI, algumas crenças limitem o exercício da sexualidade das mulheres, seja por preconceito ou por transmissão de geração em geração de informações sem base científica, que desorienta a jovens e adultos a ponto de colocar em risco a sua estabilidade física.


Se bem que o trabalho dos meios de comunicação tem servido para divulgar aspectos importantes sobre a saúde sexual das mulheres, bem como a importância de ir ao médico diante de qualquer dúvida ou indício de problemas, parece que o feito fora insuficiente ainda. É por isso que apresentamos informações que podia ser de utilidade para a sua vida íntima, e que certamente refletirá em uma melhor relação de casal.


1. O sexo oral não produz câncer:


Tanto a chamada boquete com (excitação do homem a partir de beijar seus genitais) como o cunnilingus (estimulação oral na área genital feminina) contam com um halo de insegurança que limita a sua prática, principalmente devido a que tanto esperma como secreções genitais são veículos trasmisores de vírus, bactérias e fungos geradores de infecções venéreas, mas nunca câncer. O risco reside quando a boca ou os órgãos sexuais têm uma ferida que seja a porta de entrada para os micro-organismos mencionados.


Não é demais fazer referência às doenças que podem contrair-se através do sexo oral:



  • Herpes. Se sofre de uma infecção fúngica na boca (manifestada nas comissuras dos lábios), não se deve praticar sexo oral, pois você pode facilmente contaminar a área genital; produz coceira, ardor e dor.

  • Gonorréia. É produzida por uma bactéria (Neisseria gonorrhoeae), transferida da área genital pode atacar as paredes da uretra (canal por onde passa a urina) no homem, e pela vagina, na mulher, ou do ânus, reto e a garganta em ambos. Se não se trata a tempo, pode ser muito irritante e ter consequências, como a impossibilidade de ter filhos, problemas no coração, pele e articulações.

  • Sífilis. É adquirida através de contato sexual com pessoas afetadas em fase contagiosa, seja de forma anal, oral ou convencional. A bactéria (Treponema pallidum) produz uma úlcera (chagas), que se manifesta em alguns dias, mas de não tratar permanecerá no corpo, é reproduzido e terá episódios de manifestação e outros de inatividade ao longo dos seguintes 2 a 20 anos; os casos avançados manifestam inflamação dos ossos e cartilagens (osteocondritis), além de afetar a pele, mucosas, músculos e/ou do coração, e pode resultar em cegueira, surdez, paralisia, dano cerebral e, em alguns casos, a morte.

  • Aids (síndrome de imunodeficiência adquirida). Não só é transmitida pelo esperma e o sangue, mas também por secreções vaginais e lubrificantes da uretra masculina contaminadas, facilitando a sua entrada no organismo através de feridas por onde haja contato com sangue; o vírus da imunodeficiência humana (HIV) enfraquece o sistema do organismo que combate as doenças (imunológico), o grau de infecção que, em condições normais, é inofensivo pode levar a causa para a morte.

2. Ingerir esperma não é prejudicial:


Cientificamente está comprovado que entre os componentes do sêmen encontram-se proteínas, mas dificilmente se poderia garantir que sua ingestão representa um aporte de nutrientes significativo como para cobrir os requerimentos de uma pessoa para a sua vida cotidiana ou, menos ainda, para aumentar de peso. Por outro lado, não há evidência de que engolir secreções vaginais ou esperma seja prejudicial à saúde, a não ser que tais fluidos vindos de uma pessoa que tenha uma doença de transmissão sexual, como as indicações anteriormente.


3. A mulher ejacula:


Para muitas mulheres é motivo de vergonha molhar os lençóis, ou até mesmo o colchão, com o fluido segregado involuntariamente, no momento do orgasmo, pois costuma ser confundido com urina por ser expelido pela uretra (canal por onde é retirado o líquido de descarte).


Vamos por partes. É bem sabido que a mulher produz uma secreção vaginal no momento da excitação, que tem como objetivo lubrificar as paredes do órgão para que a penetração não seja dolorosa. Muitas mulheres lubrificam abundantemente —o que não indica sempre que se trate de uma mulher multiorgásmica—, mas também não é esse fluido o segregado durante o clímax do orgasmo.


As pesquisas mais avançadas apontam que o fluido expelido é um líquido alcalino segregado pelas glândulas parauretrales, e em sua constituição, têm-se encontrado uma enzima chamada fosfatase ácida prostática e glicose (açúcar); o mecanismo de liberação é acionado como resultado das contrações pélvicas durante o orgasmo. Devemos deixar claro que nem todas as mulheres apresentam ejaculação feminina, que a mesma não depende de algum tipo especial de estimulação e que entre aqueles que manifestam haverá maior ou menor quantidade.


4. A vagina expele ar:


Também é causa de sofrimento para muitas mulheres o fato de que, durante o encontro sexual o órgão reprodutor feminino expulse o ar e faça barulho semelhante a saída de gases no estômago por ano, sem o aroma característico destes últimos. Bem, porque há duas maneiras de ter uma presença de ar na vagina:



  • A existência de certas leveduras (fungos) na área; quando este é o caso da expulsão de ar será quase imperceptível, e ser acompanhado de um cheiro um tanto desagradável; haverá que fazer paps com colposcopia para confirmar a presença de microrganismos e o tratamento a seguir.

  • Ao ter relações sexuais, o movimento do pénis empurra o ar para o interior do útero, de forma que tenderá a sair quando o órgão masculino o permita, podendo ser até mesmo um tanto barulhento (para algumas meninas igualmente penoso). Evitando as posições em que você tem o coito que permitem a entrada de ar se acabarão os problemas.

5. A penetração anal não é somente para pervertidas:


Se bem que ainda em nossos dias continua riscando a masturbação como algo indevido e mórbido, a prática do sexo anal supera o anterior como transgressor por ser qualificado como “sujo”, “perverso” e “do gosto dos corruptores”. O certo é que o ânus tem tantas terminações nervosas sensíveis como a vagina ou pênis, o que é igualmente capaz de produzir prazer; inclusive, algumas pesquisas a respeito indicam que há mulheres que só podem alcançar o orgasmo, por esta via, sem que intervenha a vagina ou clitóris, mas não é o mais frequente.


A penetração anal tem sido por séculos a opção para aqueles que procuram preservar a virgindade e evitar gravidezes não desejadas, ou como uma opção em períodos de menstruação. Não obstante, é muito importante tomar algumas medidas que farão este tipo de relação sexual segura e satisfatória; por exemplo, o uso do preservativo é de vital importância, já que a mucosa retal é uma via de entrada de vírus e bactérias que podem invadir o órgão masculino e causar uma infecção; pela mesma razão, deve-se alterar o preservativo se contempla uma penetração vaginal, ou lavar o pênis, dedo ou a que se tenha empregado na penetração antes de introduzi-lo ao órgão reprodutor feminino.


Também deve ser levado em conta que, ao contrário da vagina, o reto não se autolubrica após a excitação, o que deverá ser utilizada, creme ou gel lubrificante com base de água (vaselina e óleos podem danificar o látex do preservativo); o produto deve ser colocado tanto no pênis ou dedo, como no ânus. Finalmente, tenha em conta que o reto podem vir a sofrer danos se o sexo é violento, de maneira que a penetração deve ser cuidadosa, progressiva e suave, retirando-se o receptor refere dor intensa ou se há forte resistência. Esta informação pode abrir sua mente para novas experiências com o seu parceiro.


6. Mau cheiro vaginal, não só quem tem relações sexuais:


Por natureza, a vagina tem um cheiro peculiar, com certa acidez, que não é desagradável e que deve-se às bactérias que compõem a flora microbiana que lá habita. Quando esta é alterada, o aroma que se desprende muda significativamente, chegando a ser penetrante. A causa mais comum do mau odor vaginal é a presença de uma infecção vaginal que deve ser tratada o mais rápido possível por algum ginecologista.


Outra causa comum, e que deve ser tida muito em conta, é a falta ou indevido higiene pessoal da vulva (entrada da vagina) e das áreas próximas a esta, onde podem se acumular suor e urina. No entanto, deve-se ter em conta que também a higiene excessiva altera a acidez da flora bacteriana, de modo que o uso de produtos perfumados, pode irritar a região e provocar um efeito não desejado. A revisão médica e resultados de testes de laboratório determinam a presença de microrganismos infecciosos e a forma de enfrentá-los, de forma que a medicação vai mudar se os causadores do problema com fungos ou bactérias.


Agora, a presença de microrganismos não-deve-se sempre ter tido contato sexual com alguém infectado, já que também podem ser apresentados por vestir roupas apertadas ou molhado, ou por levar bactérias do ânus para a vulva por má higiene genital. Cabe mencionar que não trocar as toalhas ou tampões no período de 4 a 6 horas, durante os dias durante o período menstrual, o que pode gerar mau cheiro vaginal.


7. A mulher pode engravidar na sua primeira relação sexual:


Muita gente considera impossível que se geste a concepção durante o primeiro encontro sexual, o que não tem fundamento médico, já que biologicamente não existe nenhum impedimento para que assim aconteça; é mais, algumas mulheres, por efeito do nervosismo e a ansiedade antes da noite de núpcias ou de sua primeira relação podem ultrapassar a ovulação e facilitar a concepção, fato que ocorre com muita freqüência.


8. Nem todas as pílulas anticoncepcionais engordam:


Alguns comprimidos para evitar a gravidez têm como efeito colateral o ganho de peso; no entanto, a indústria farmacêutica tem seguido a investigar e a lançou ao mercado pílulas contraceptivas que têm menos efeitos colaterais e até mesmo melhorar certos aspectos físicos, como a pele, que protegem do acne.


Agora, existem outros métodos contraceptivos que podem ser usados em vez de a pílula:



  • De barreira. Preservativo masculino e feminino ou diafragma.

  • Hormonais. Além das pílulas, injeções e implante de progesterona.

  • Dispositivos intra-uterinos.

  • Naturais. Ritmo e coito interrompido, mas são os menos confiáveis.

Cabe destacar que o mercado farmacêutico oferece também métodos em diferentes apresentações (óvulos vaginais, cremes, géis, supositórios ou espumas), e sua importância reside no fato de que contêm substâncias que matam os espermatozóides e serão aplicadas na vagina antes do ato sexual.


9. O intercurso sexual com cuidado durante a gravidez não faz mal ao feto:


Quando a gestante encontra-se em bom estado de saúde pode ter relações sexuais durante a gravidez, sem nenhum problema. Algumas mulheres consideram inapropriado, pois acreditam que, se há dano ao feto, coisa por demais falsa, já que o pau —por muito grande que seja— jamais será capaz de penetrar no útero, que é onde se encontra o bebê.


Mais bem, o importante é procurar posições que evitem que o abdômen da grávida sofre pressão; as mais recomendadas são:



  • Ambos de lado, procurando que a volta dela fique colada ao peito dele.

  • Ela sentada sobre o homem, que tem que estar deitado.

  • Também pode-se recorrer ao sexo oral, sobre o qual é importante esclarecer que, se a gestante ingere esperma não será alterado o curso da gravidez, nem sofrerá dano para o feto; o que se é importante é que o parceiro não tenha alguma doença de transmissão sexual.

10. O desejo sexual termina com a menopausa:


Aproximadamente aos 48 anos de idade, a mulher começa a experimentar mudanças gerados em seu aparelho reprodutor, já que, de maneira natural, os ovários produzem estrogênio (hormônio feminino) e, em menor quantidade, e isso se reflete na suspensão do sangramento menstrual (a última é chamada de menopausa), sudorese, ondas súbitas de calor, fadiga e depressão frequente. O conjunto desses sintomas que são conhecidos como climatério.


Além disso, a lubrificação como resposta ao estímulo sexual diminui significativamente ou o tempo para atingi-las é mais prolongado, além de que os grandes lábios da vagina reduzem a sua espessura e as contrações uterinas se tornam irritantes; por se fosse pouco, o desejo sexual é menos intensa do que quando tinham 20 anos a menos. Os fatores anteriores incidem para que uma mulher evada o tema das relações sexuais e a sua prática, de forma que os encontros sexuais com o seu parceiro se tornam mais espaçadas e, aparentemente, menos agradáveis.


Bem, pois nem tudo está perdido. Uma opção que muitas mulheres têm em conta é recorrer ao médico de tratamento com hormônios sintéticos que substituem as que já não se produzem, as quais, além de ajudar a eliminar afrontamentos, nervosismo, irritabilidade emocional, instabilidade mental, dores de cabeça ou outros sintomas do climatério, influenciam positivamente na manutenção da libido (desejo sexual). Tenha em conta que a prescrição deve fazer um ginecologista.


Estudos científicos apontam que a mulher que chega a esta idade com uma atividade sexual constante terá menos problemas nesse sentido durante o climatério. No entanto, não é demais sugerir que, para facilitar as relações sexuais podem ser utilizados lubrificantes que facilitem a penetração, que esta deve ser realizada apenas quando a mulher está preparada, e que no caso de que as dificuldades não sejam ultrapassados é possível visitar o sexólogo antes que a relação de casal o prejuízo.


Finalmente, é importante fazer menção do preservativo feminino, que é uma realidade cada vez mais popular; trata-se de uma fina capa de poliuretano (plástico) que se ajusta às paredes da vagina, possui um anel interno, que permite colocá-lo com facilidade, e outra externa (de maior tamanho) que evita que haja contato entre ejaculação e vulva. Ao contrário dos masculinos, são mais grandes e pode ser colocado até 8 horas antes do ato sexual. A sua eficácia contraceptiva é de 95%, quando utilizado corretamente, além disso, protege contra doenças de transmissão sexual.


Bem, agora conta com mais itens para fazer a sua vida sexual mais confiável e segura, você não acha?

Publicado em SAUDE | Comentários desativados em 10 mitos sobre a sexualidade da mulher

Acidentes de carro por consumo de álcool

No México, 24 mil pessoas morrem por ano por penalidade de trânsito e, de fato, 40 a 60% dos acidentes mortais estão relacionados ao consumo de álcool, aponta o Conselho Nacional para a Prevenção de Acidentes.


“O álcool é uma espécie de ‘socializador’, e quando uma pessoa ingere em quantidades moderadas alguma bebida com álcool mostra-se mais alegre e desinibida, principalmente em dezembro, quando costuma aumentar seu consumo nas festas de natal”, diz Brenda Ramos Tejeda, Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), no Distrito Federal.


Álcool, Acidentes, Abuso de álcool


Quanto aos efeitos das bebidas alcoólicas, a Estudante Ramos Tejeda diz que “funcionam como um depressor do sistema nervoso que rompe o equilíbrio das células nervosas, e ao abusar delas, o sujeito costuma fazer coisas que depois se arrepende ou já não se lembra”.


Efeitos negativos do abuso de álcool


Uma situação de risco ocorre quando uma pessoa que consome bebidas com álcool pretende segurar, “seus reflexos ficam mais lentos, então demora mais tempo para reagir, por exemplo, se vir um semáforo, cuja luz muda de amarelo para vermelho, não é capaz de agir para parar o carro com rapidez e isso pode gerar um acidente”, aponta a promotora de saúde da Fundação de Investigações Sociais, A.C. (FISAC), criada em 1981, e entre cujos objetivos destaca-se promover o conhecimento e a responsabilidade em relação às bebidas com álcool.


Além disso, o indivíduo “sente mais liberdade e se torna mais ousado, por isso, conduz a uma maior velocidade, sem reparar nas conseqüências. Isto se deve a que, como mencionado, ao romper-se o equilíbrio das células nervosas, certas funções são afetadas, como o julgamento, controle e aprendizado, então, realiza ações que normalmente não faria”, aponta a egresada da UNAM.


A pedagoga afirma que o “álcool altera dois sentidos fundamentais para a condução de: a visão e a audição, de tal sorte que o sujeito vê confuso e não ouve bem. Além disso, se vê alterada a sua motricidade fina, de modo que se você tiver problemas para introduzir a chave na fechadura do carro, muito menos terá a capacidade para lidar com isso. Inclusive, o sentido do equilíbrio é perturbado, por isso vai se apoiando em outras pessoas ou recarregando em objetos para poder chegar até certo ponto, não pode andar em linha reta e dificulta descer escadas. Quem se encontra nesta condição, o mais provável é que se lida com um auto provoque um acidente”.


A pergunta de quanto álcool pode levar uma pessoa antes de manusear, a resposta do Estudante Ramos Tejeda é definitiva: O melhor é não tomar nada de álcool, já que não podemos dar receitas pela diferença entre homens e mulheres, a vulnerabilidade e tolerância (acostumbramiento pelo álcool).


Moderação


Membro FISAC explica o que significa um drinque padrão: “Cada bebida servida em seu recipiente correspondente é equivalente a um drink padrão, ou seja, um frasco de cerveja tem 340 ml (4.5%) de álcool, em tanto que um cavalinho de tequila contém 40 ml (38%) de álcool. Embora se trate de diferentes tipos de bebidas com graus de álcool diferentes e seus recipientes não são iguais, a quantidade de álcool que ambas contêm é praticamente a mesma: e corresponde a 12 g de etanol puro, aproximadamente”. Neste sentido, uma pessoa que não vai conseguir pode beber dois ou três drinques padrão, por evento, espaciándolos a cada hora, isso é uma maneira ponderada de ingerir bebidas alcoólicas.


Por outro lado, quem está sob os efeitos do álcool, não deve utilizar, mas solicitar que alguém o leve para a sua casa ou ficar em casa do anfitrião, diz a Estudante Ramos Tejeda. “FISAC recomenda 4000 Táxi, na Cidade do México, um serviço que fornece transferências seguras”, acrescenta.


Quanto à implementação do programa do álcool, a Estudante Ramos Tejeda diz que sim funciona, já que salva vidas, por que os motoristas não devem vê-lo como uma iniciativa negativa ou procurar a maneira de evitá-lo, já que constitui efetiva forma de proteger a cidadania.


Alerta


Finalmente, a especialista alerta sobre a importância de saber o que se bebe, pois “cerca de 40% das bebidas que são distribuídos no país são adulterados ou de procedência duvidosa.


“O problema das bebidas adulteradas é que prejudicam a saúde porque são elaboradas com certos tipos de álcool (metílico, butílico, 70o, 96o) que não são aptos para o consumo humano. Por isso, recomenda-se assistir a estabelecimentos reconhecidos, pedir factura, conhecer a marca, o sabor, o odor e a cor da bebida de sua preferência e não ir a lugares onde tenha barra livre, já que são proibidas no Distrito Federal.”

Publicado em ECO | Comentários desativados em Acidentes de carro por consumo de álcool

10 mitos sexuais masculinos

Os mexicanos contamos com informação sobre sexualidade voltada a preservar a saúde e evitar possíveis maus momentos; não obstante, há que se têm encarregado de difundir mitos da sexualidade masculina, os quais carecem de fundamentos científicos; não se deixe surpreender eu partircularmente gostei do item 7 aonde fala da Maca X Power e a função dos suplementos afrodisíacos na vida dos homens e das mulheres.


Mitos da sexualidade masculina, Saúde sexual do homem


Se bem tanto para homens como para mulheres, existem mitos em torno da sexualidade, desta vez, focamos apenas os que se referem ao homem, sem que isso signifique que sejam mais importantes do que os de sua contraparte feminina, os quais merecem menção especial.


Mito 1: a masturbação afeta


Realidade: Ao longo de incontáveis décadas foram estendidas conceitos como que a masturbação pode gerar infertilidade, disfunção erétil, acne, cegueira, surdez, mongolismo, loucura, epilepsia, crescimento de pêlos nas palmas das mãos, “afunda” os olhos e os tira brilho, esgota os músculos, prejudica a memória e a capacidade de pensar, degenera tecidos e nervos e, quando se abusa, morte prematura.


Simplesmente o fato de ser tachada de pecado é suficiente para que muitos praticantes se sintam sujos e que sua imagem de cavaleiro é afetada, mesmo que seja para si mesmo. O certo é que muitos psiquiatras são unânimes em apontar que a repressão a que é submetido o menor que se masturba gerar dificuldades posteriores, tanto na sua vida sexual , como em outras funções psíquicas. Por exemplo, fazê-lo às escondidas e com toda a pressa é um dos antecedentes de ejaculação precoce, entendendo-se esta como a incapacidade persistente em obter e manter a ereção do órgão masculino que lhe permita ter relações sexuais satisfatórias.


Agora, devido a que em cada orgasmo, o corpo libera endorfinas (hormônios que contribuem para o relaxamento) -cientificamente-, a masturbação é aconselhável para reduzir o stress e ansiedade, e como ajuda a conciliar o sono. Além disso, oferece a oportunidade de conhecer e apreciar o próprio corpo, o que permite melhor controle perante o orgasmo.


É importante deixar claro que, quando é a única forma de obter prazer sexual, ou se gera sentimentos de culpa e ansiedade, recomenda-se ir ao psicólogo ou psiquiatra.


Mito 2: apenas um pau grande satisfaz a mulher


Realidade: pesquisas sobre sexualidade apontam que cerca de apenas 10% das mulheres dá importância ao tamanho do membro de seu parceiro, e que o restante está convencido de que a sua satisfação sexual não depende dele; mesmo aponta que 98% das mulheres considera que um pênis maior a 20 centímetros assusta ou impressiona.


Na verdade, muito poucos homens se interessam em saber que a área mais sensível da vagina encontra-se nos dois primeiros centímetros da entrada (vulva); de forma que um pênis de apenas 6 cm, pode passar 3 cm (em média) dos lábios vulvares e chegar aos dois primeiros do órgão feminino, com toda a comodidade; agora bem, por atrito, um membro viril, mais largura estimula estes primeiros centímetros.


Não devemos esquecer que a vagina é composta por tecidos musculares que se contraem ao ser estimulada, e é capaz de pressionar e adaptar-se ao tamanho médio do pênis; assim, o clitóris (que é considerado o ponto mais sensível dos órgãos genitais femininos), reage diretamente ao toque, o que faz com que elas gozem dessa experiência, tanto quanto a mesma penetração.


Finalmente, para os interessados no tema, podemos dizer que, a nível mundial, o tamanho médio do pênis em estado de flacidez é 8.85 cm. e ereto 16.4, com diâmetro de 4.1.


Mito 3: a vasectomia reduz o apetite sexual


Realidade: centenas de casais que vêm por vontade própria a solicitar esta cirurgia contraceptiva foram totalmente aberto para desfrutar de sua sexualidade ao saber que não correm risco de gravidez. A vasectomia consiste na simples intervenção cirúrgica realizada pelo urologista, médico especializado em genitais masculinos, que requer cerca de 20 minutos e a aplicação de anestesia local.


O objetivo é impedir a passagem dos espermatozóides, a partir de uma pequena incisão no escroto (pele que reveste os testículos) entre 1 e 2 cm, na área onde se localizam os canais deferentes (tubos que transportam sêmen) que são cortados, para, posteriormente, ligar as pontas e costure novamente o escroto. Uma vez concluída a operação, o paciente pode sair andando e continuar com suas atividades normais, já que o procedimento e o período de recuperação não causam desconforto.


É falso considerar que durante a vasectomia são seccionados tecidos importantes no funcionamento do órgão viril, como alguns o crêem, e que esse é o primeiro passo para desenvolver disfunção erétil, ejaculação precoce ou algum tipo de câncer, como o de próstata ou testículos.


O que devemos destacar é que a produção de espermatozóides não se suspende com a vasectomia, de forma que, após a intervenção cirúrgica fica armazenada grande quantidade de sêmen nas vesículas seminais, por isso é necessário que o casal se proteja com algum método contraceptivo durante os próximos 15 ou 20 encontros sexuais, em que o homem eyacule; após estes, o risco acaba.


Igualmente importante é saber que esse método não é um escudo contra a aids ou outras doenças de transmissão sexual, pelo que o indivíduo submetido à vasectomia deve contemplar as precauções habituais se sustenta relações de risco.


Mito 4: uma mulher virgem sempre sangra na primeira relação


Realidade: o hímen é uma membrana elástica, que contorna a parede vaginal e cobre a entrada do órgão, e, durante séculos, se pensou que a única maneira de quebrá-lo era através da penetração do membro viril, a qual provocaria dor e o sangramento da mulher. Atualmente sabemos que pode haver mulheres que nascem sem o fino tecido, ou que pode ser rasgada por forte queda ou algum golpe que referencia a vulva, fluxo menstrual excessivo, assim como durante a exploração ginecológica, por masturbação com inserção de dedos ou objetos, ao abrir as pernas violentamente durante a prática de algum desporto (ginástica, tênis, natação, andar de bicicleta ou a cavalo), e por carícias genitais com muita pressão, entre outros.


Além disso, a Medicina tem comprovado que há mulheres que têm relações sexuais e podem manter o seu hímen íntegro, pois às vezes ele chega a ser tão flexível que permanece sem danos, apesar da relação sexual. É assim que não existe forma, mesmo para um médico, de definir, com precisão, se uma mulher é virgem ou não.


As mesmas razões por que o hímen pode ser rompido são as que justificam o que nem sempre tenha sangramento durante a primeira relação sexual. Não obstante, a ausência do líquido vital na noite nupcial continua provocando conflitos entre os casais.


Mito 5: só por ter gozada há gravidez


Realidade: de forma natural, o pênis ao ficar ereto segrega líquido seminal que o prepara para a penetração, o qual contém espermatozóides. É assim que, ao entrar o órgão da vagina levará espermas que nos dias férteis da mulher podem fecundar o óvulo, mesmo sem ter ejaculação. É assim que o indicado é usar camisinha se você não conhece o ciclo menstrual de o casal, ou que ela use algum outro método contraceptivo; claro!, sempre e quando não se preveja uma gravidez no futuro imediato.


Mito 6: a circuncisão deve ser obrigatória


Realidade: se é verdade que a pele (prepúcio) que cobre a cabeça do pênis (glande) cumpre a função de proteger a criança de possíveis ataques de vírus que levem a infecções, e mais tarde em doenças de transmissão sexual, não há um consenso entre os médicos especialistas que deva ser retirado definitivamente através da chamada circuncisão.


Tal é a discrepância em relação ao que se estima que nos Estados Unidos, 80% dos homens são circuncidados, enquanto que na Europa apenas 5%; o total a nível mundial, é estimado em 15%. O certo é que se verificou que tanto os construídos como aqueles que não o são, são, igualmente, candidatos a doenças infecciosas ou venéreas se não salvas as devidas precauções.


A decisão de praticar a circuncisão em menores recai sobre os pais e o pediatra, em tanto que adolescentes e adultos devem aconselhar-se com o urologista.


Mito 7: os medicamentos para disfunção erétil são afrodisíacos


Realidade: em anos recentes, aumentou a popularidade dos medicamentos para o tratamento de disfunção erétil como a Maca X Power, os quais dirigem a sua acção apenas aos chamados corpos cavernosos do pênis, onde inibem uma enzima (fosfodiesterase V), que desativa o mecanismo de ereção, obtendo como resultado que esta possa manter-se por mais tempo. Agora, isso não quer dizer que a substância médica provocaria francamente o desejo sexual a quem não o tem, já que ele desenvolve o cérebro e não no órgão viril.


A experiência científica aponta que, se um homem, graças aos medicamentos mencionados, melhora a função sexual alterada por problemas de ereção, também irá aumentar o seu apetite sexual, mesmo que seja em forma indireta, elevando consideravelmente a sua auto-estima.


Mito 8: ejaculação é sinônimo de orgasmo


Realidade: um alto percentual de pessoas que consideram que o fim de toda relação íntima é a relação sexual ou penetração, através do qual recebem um orgasmo que lhes gera prazer. Bem, pois vários psiquiatras demonstraram que o controle sobre a respiração e aumenta a intensidade do orgasmo e pode prolongar sem que haja ejaculação.


Aqueles com maior conhecimento levam à prática anterior são os seguidores do Tantra, milenar doutrina proveniente da Índia cujo objetivo é o autoconhecimento do indivíduo. É claro que esta muito respeitável disciplina dirige todo o seu objetivo o bem-estar geral do ser humano, onde o aspecto sexual é apenas uma parte disso.


Partindo da premissa de que o corpo humano é um “templo sagrado”, o homem tantrista aprenda a esperar e a levar a cabo o encontro amoroso sem excesso, com especial ênfase no relaxamento corporal e o controle da respiração, ou seja, retardar e aprofundar conscientemente o ritmo de inalação e exalação, o que tem impacto importante no controle da ejaculação. Dessa forma, você pode fazer movimentos leves, harmônicos e com ritmo agradável, o que leva a uma relação sensual e prolongada, tornando mais estreita a união entre o casal.


Mito 9: os homens não têm o ponto G


Realidade: Desde a década de 60 do século passado, denominou-se o ponto G feminino a um resíduo de tecido que se forma desde o embrião, localizado na parede frontal da vagina, circundado por terminações nervosas e sensíveis. Sua popularidade desde então se deve a que, sabendo estimular esse tecido pode produzir enorme excitação que em alguns casos pode resultar em longa cadeia de orgasmos.


A melhor maneira de estimular o referido ponto é tocándolo, ou bem, ao ter uma penetração profunda da vagina, mas por trás, fazendo com que o pênis tenha maior contato com a parede anterior do órgão feminino.


Bom, pois em anos recentes tem-se falado de que o homem também tem um ponto G, igualmente de sensibilidade extrema que pode ser estimulado para provocar orgasmos. Na verdade, trata-se da próstata, glândula que cumpre importante função biológica, principalmente na fase reprodutiva, já que gera o líquido seminal, que protege e transporta os espermatozóides no caminho que eles seguem até o útero feminino durante o coito (penetração).


A estimulação do ponto G masculino também pode ser feito por meio do toque através do ânus, onde se pode guiar um dedo através da parede frontal de seu reto, cerca de 5 cm, até notar uma pequena protuberância em forma de noz. A desvantagem é que nem todos os homens estão dispostos a apreciar a experiência.


Mito 10: a sexualidade masculina se extingue com a idade


Realidade: de acordo com pesquisas científicas, o homem atinge o seu maior vigor sexual entre os 30 e 35 anos de idade, tendendo a declinar posteriormente. A explicação para o anterior é que, depois dessa idade costumam se fazer presentes problemas de saúde que afetará a saúde sexual do homem, como é o caso de diabetes, hipertensão e doenças do coração, entre outras.


Por exemplo, os altos níveis de glicose no sangue (diabetes) alteram o bom funcionamento do sistema circulatório em geral, do qual depende o mecanismo de ereção do órgão reprodutor masculino; é assim que descuido no tratamento desta doença podem causar disfunção erétil. No entanto, devemos enfatizar que o anterior, não se apresenta em todos os homens e que os sofrimentos que foram mencionados podem ser controlados e, em consequência, também os transtornos sexuais que deles se derivam.


Por outro lado, o homem que levou uma vida saudável e tem mantido uma sexualidade activa desde a sua juventude assegura que você também terá durante a velhice. É verdade, a capacidade sexual diminui naturalmente com o passar do tempo, mas não tem por que perder do todo.


O homem se pode falar em diminuição da qualidade da ereção, tanto na rigidez como em duração, bem como a capacidade de fecundar pela baixa produção de espermatozóides; igualmente, cabe destacar o período refratário pós-coito, ou seja, o tempo que leva para se recompor da seguinte relação, que pode se prolongar por dias ou semanas, por exemplo, sabe-se adultos mais velhos que aos 80 anos de idade têm uma relação coital a cada três semanas.


Sobre os mitos sexuaismasculinos podem escrever milhares de linhas mais e não se acabasse de falar deles. O certo é que, por estar informados ninguém vai nos surpreender, poderemos gozar de uma melhor saúde sexual e uma relação mais satisfatória.

Publicado em SAUDE | Comentários desativados em 10 mitos sexuais masculinos

10 Razões Por Que Cada Casa Deve Ter O Óleo De Rícino

O óleo de rícino, desde a antiguidade tem sido utilizado com fins medicinais, isso, por suas grandes propriedades, por isso, há mais de uma razão para tê-lo em casa. Descubra o porque.


O óleo de rícino é derivado das sementes das plantas que crescem em terrenos baldios, principalmente, planta silvestre, que se encontra em regiões tropicais. Mas, também pode ser cultivada como planta no jardim ornamental em climas mais frios, convertendo-a em uma planta já comercializada.


O óleo de rícino já existiu há muito tempo, e tem sido usado com fins medicinais em terras africanas, subcontinente indiano e o mediterrâneo. Este tipo de óleo tem uma característica especial, é um dos primeiros óleos vegetais, usados com fins industriais.


Isso, por sua elevada viscosidade e a propriedade de lubrificação, dentro das indústrias, onde se tem usado foi o automotivo, e, provavelmente, cria-se que esta é a principal razão por que se usa.


Mas, não é assim, há muitas razões, devido aos benefícios que traz, pelas quais deve ser um óleo que não deve faltar em casa.


óleo de rícino


10 Razões por que cada casa deve ter um óleo de rícino:


1.- Um laxante seguro:


Não é um segredo, que este tipo de óleo tem efeitos laxantes, pode haver certos antecedentes de empresas, sobretudo farmacêuticas que possam alertar sobre o perigo de ingerir óleo de rícino por seu efeito laxante.


No entanto, a verdade é que não só é seguro, mas que, além disso, mesmo os pequenos podem fazer uso deste óleo no caso de apresentar problemas para evacuar.


A semente de mamona, proveniente da planta contém uma toxina conhecida como oito e que tem um efeito muito poderoso, mas é desactivado durante o processo de extração do óleo. E houve mortes, devido à ingestão de este, mas isto se dava quando tinha alimentações forçadas devido a problemas políticos, etc.


Principalmente, se dava a morte devido à desidratação e não porque fora devido a uma substância tóxica.


Como usar o óleo de mamona como laxante?


Pois, bem, se utilizado com este fim, as doses podem variar, geralmente para adultos, aconselha-se consumir de uma a duas colheres de sopa e, no caso de crianças de uma a duas colheres de chá (2 a 12 anos de idade).


As crianças menores de dois anos não devem ingerir mais de uma colher de chá, e, além disso, é aconselhável perguntar ao pediatra sobre o uso deste remédio natural. Pode-Se misturar com suco de laranja, para tornar mais agradável o sabor ao paladar.


A ação do óleo no organismo, comparando-se com outros laxantes que têm seu efeito no cólon, este atua no intestino delgado, o que se pode esperar de uma boa drenagem e limpeza dos intestinos depois de duas a cinco horas de tomar o óleo.


2.- Para o alívio de dores articulares:


Quem não sofreu alguma vez de algum desconforto articular? E geralmente, se você deseja ter algo em casa que ajude o alívio imediato de estas dores. Por isso, uma boa razão para ter óleo de rícino em casa é que será útil para isso.


Este óleo tem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, isto, por seu conteúdo de ácido ricinoleico, que constitui quase um 90% de sua composição. E o efeito que tem no organismo é devido a que tem ação descongestionante sobre o sistema linfático.


A congestão dos vasos linfáticos e o acúmulo de resíduos tóxicos no mesmo, pode-se dever a várias razões, mas isso causa geralmente, o desenvolvimento de várias doenças auto-imunes, dentre as quais se destaca a artrite.


Você pode usar esse óleo dando leves massagens circulares sobre a área afetada.


3.- Promove o crescimento do cabelo:


Sem dúvida, pode ser pouco convencional, o uso deste tipo de óleo com este fim, já que há uma grande quantidade de remédios naturais para poder promover o crescimento do cabelo, que podem ser eficazes, mas este é outro dos que você deve considerar.


Já que melhora a circulação, por isso, recomenda-se utilizar e aplicar desde o couro cabeludo para poder promover o crescimento do cabelo.


Como usar o óleo de mamona para o crescimento do cabelo?


Bem, tudo o que você precisa fazer é aquecer um pouco de óleo, não muito, deixar arrefecer um pouco, até que se pode aplicar, dando leves massagens, começa a aplicá-lo desde o couro cabeludo.


Repete isso, a cada noite, durante duas semanas, e você verá os resultados efetivos. Além disso, outra forma que você pode usá-lo é que se você tem sobrancelhas esparsas, você também pode aplicar um pouco nesta área para o crescimento das mesmas. Basta aplicá-lo com cuidado onde se exige que cresçam com um cotonete de algodão.


Tem sido sugerido ser usado mesmo em casos de alopecia, por suas propriedades anti-inflamatórias que podem combater este problema auto-imune.


4.- Para tratar infecções por fungos:


Sem dúvida, uma boa razão para ter óleo de rícino em casa, já que em algum ponto enfrentamos problemas com fungos. Por isso, tenha óleo em casa. Já que tem uma propriedade fungicida, graças ao seu conteúdo de ácido undecilénico, produto da degradação do ácido ricinoleico.


Este tipo de óleo pode ser usado para tratar problemas de fungos comuns, como a coceira, comichão de jock, pé-de-atleta. Sugere-Se que a sua eficácia é igual à de um fármaco, que geralmente são usados para combater os fungos.


Mas, ao usar este óleo, você tem a garantia de usar algo livre de agentes químicos.


Como usá-lo para combater os fungos?


Deve-Se aquecer um pouco de óleo de mamona e esperar que esteja quente ao toque, e deve-se aplicar na área afetada e deixe agir a noite toda. Você pode repetir isso por uma semana.


5.- Para melhorar a cor do cabelo:


Por estranho que pareça, usar este óleo pode ajudar a manter a cor do seu cabelo, e fazer com que ele fique bonito, obtendo um melhor cor. Permite que o cabelo se mantenha humectado.


Como usar?


Você deve lavar o seu cabelo como de costume, você deve aquecer um pouco o azeite, pode molhar seus dedos e começar a aplicar no cabelo, tentando cobrir todas as vertentes possíveis. Se você tem o cabelo longo, só deve dividi-lo em seções para cobrir bem todo o cabelo.


óleo de rícino-razões para tê-lo em casa-benefícios


6.- Para hidratar a pele:


Outra das razões por que você deve ter óleo de rícino em casa, é porque é um produto natural que mantém saudável à sua pele, porque a mantém hidratada. E se o seu caso é uma pele seca, este óleo é adequado para combater isso.


Este óleo é caracterizado por ser muito viscoso que é uma ideia para ser usado, já que penetra perfeitamente os tecidos da pele, nutrindo-a. Provavelmente muitos produtos como cremes hidratantes contêm o óleo, no entanto, você pode economizar um pouco e aplicá-lo de maneira direta na pele.


Como aplicar o óleo sobre a pele?


Pode ser um pouco pegajosa e difícil de aplicar este óleo, já que é espesso, mas, pode-se aplicar com cuidado uma camada fina, para facilitar a absorção dele na pele. Lembra-se de uma camada fina e uniforme. Algumas vezes sugere-se usar em conjunto com o óleo de coco, para poder facilitar a sua aplicação.


7.- Para conciliar melhor o sono:


Por razões ainda não explicadas, este tipo de óleo, pode ajudar a dormir melhor. Um dos problemas que cada vez se torna mais comum. Por que ter uma alternativa natural pode ser uma boa maneira de deixar de consumir outros produtos que podem colocar em risco a saúde.


Lembre-se que a melhor forma de obter um descanso efectivo, é dormir de 6 a 8 horas ininterruptas, então, se você tem problemas para conciliar o sono, esta é uma ótima opção, e você vai notar uma melhoria.


Como usar?


É muito fácil usar este óleo para este fim, basta aplicar um pouco de óleo em seu cabelo, ou aplicar um pouco ao redor dos olhos, e, pouco a pouco, você vai notar que o teu sono será melhor.


8.- Para combater problemas de pele:


Uma razão que, sem dúvida, fará com que tenha sempre o óleo de rícino em casa, já que, é muito dinheiro, para poder tratar problemas de pele, como acne, verrugas, e outros, que, sem dúvida, podem ter muitas causas.


Geralmente, as verrugas, são o resultado de uma infecção viral, e o acne, é por excesso de produção de sebo pelas glândulas da pele, e este quadro pode-se complicar com infecções microbianas secundárias.


Utilitário para isto, é-lhe atribuída às suas propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias.


Como aplicar?


É muito simples, basta aplicar com um cotonete um pouco de azeite, e sobre a pele com verrugas, ou onde você tenha acne. Você pode usar de forma habitual e regular para poder combater qualquer problema.


9.- Como remédio para doenças de animais:


Outra das razões por que você deve sempre ter óleo de rícino em casa, é porque além de se beneficiar com tudo o que precede, também, aqueles que te agradecer por esta decisão serão seus animais de estimação.


Já que o óleo pode usar para aliviar as doenças ou lesões que tenham. Geralmente, a tendência de gatos ou cães, quando sofreram alguma ferida, é lamerlas, o que poderia faz com que os sintomas se agravem, podendo colocá-las em risco de infecção.


E se se aplica medicamento, pode haver risco para eles. Por isso, é seguro para ser usado e aplicado em pequenos cortes ou áreas infectadas. Além disso, o sabor não será agradável para fazer isso, por isso, não hesite em usá-lo.


Lembre-se que suas propriedades antimicrobianas, evitarão que suas feridas se infectem. Por isso é que é um produto útil e seguro para ser usado com seus animais de estimação.


10.- Para combater as cólicas dos bebês:


Se você tem crianças em casa ou não, de todos os modos, é uma alternativa muito boa que tenham óleo de rícino em casa ou que lhe passa com o conselho a uma amiga que o seu bebé esteja a sofrer de estas doenças tão comuns em bebês.


A maioria dos bebês passam por uma fase de choro incessante, e isso, pode ser devido a que tem cólicas, geralmente, acontece nos primeiros meses de vida do bebê. A razão pela qual se apresentam ainda é desconhecida, Mas alguns especialistas sugerem que podem dever-se à constipação intestinal, acúmulo de gás, espasmos musculares anormais, etc.


Qualquer que seja a razão por que o bebé tem cólicas, o óleo de rícino, por suas propriedades, ajuda no alívio dos sintomas, substituindo, assim, a ingestão de medicamentos orais que podem não ser de ajuda.


Como usar o óleo de rícino?


Pois bem, deve ficar muito claro, que em nenhum momento o bebê vai ingerir, apenas será usado de forma tópica. Aplicando-se na zona abdominal, com uma massagem suave e esfregando suavemente.


Estes efeitos positivos do alívio de cólicas com o uso desse óleo, é-lhe atribuída às suas propriedades analgésicas, entre outras, o que, sem dúvida, ajuda a criança a relaxar, e ainda concilia melhor o sono, depois de haver sido aplicado o óleo.


Como foi visto, não faltam razões para que agora mesmo consideremos ter óleo de rícino em casa, já que, como você viu, é um produto de origem natural, muito versátil, que por seus benefícios e propriedades, podem ajudar no alívio de doenças, mal-estares.


Onde comprar óleo de rícino?


Se você quiser experimentar alguns dos benefícios deste óleo, aconselha-se a que você compra um azeite 100% puro, de boa qualidade, e evita comprar imitações ou produtos que contenham outros agentes que não derivem da mamona.


Geralmente, este produto, você pode começar de forma muito fácil na Amazon, os preços podem variar dependendo do país em que se encontre.


Mas, você também tem outra opção, consulte a sua farmácia natural, ou local mais próximo, onde você pode adquirir este tipo de produtos.


O que você deve saber do rícino:


Assim como foi aconselhado, que este óleo deve estar em casa, por muitas razões que já vimos, também é muito importante que você saiba como usá-lo, tomando todas as precauções possíveis, evitando assim que os seus efeitos sejam contrários aos esperados.


Por isso, aqui, algumas dicas:



  • É importante que se você quiser usar o óleo de rícino ingerido ou usado de forma tópica, realizar uma avaliação prévia, com a aplicação de uma pequena quantidade de óleo em sua pele, isso, para verificar se há reações alérgicas. Já que, lembre-se que nem todos os organismo pode responder de forma favorável a todos os componentes deste óleo, ou de qualquer outro produto, ainda que sejam de origem natural.

  • É necessário que você leia de forma muito cuidadosa rótulo e instruções que contenha o óleo quando o tiveres, antes de começar a usá-lo, uso o correto dispositivo de medição quando você ingerir, evite usar colheres de cozinha, além disso, se você tem dúvidas, pode perguntar a um especialista ou seu médico

  • As mulheres grávidas não devem ingerir o óleo de rícino, já que este se caracteriza por sua capacidade de causar fortes contrações pélvicas, que podem provocar o nascimento prematuro ou em alguns casos até induzir um aborto. Por isso, deve-se ter cuidado, isso, a menos que o médico indique o contrário.

  • Ao ingerir o óleo de mamona, pode dar origem a alguns problemas ou efeitos colaterais, como cólicas, diarreia, tonturas, desmaios, náuseas, erupção cutânea, sensação de aperto na garganta, dificuldade para respirar, dor no peito, etc., o que também é conhecido como overdose, que pode resultar em uma extrema desidratação. Que complicándose pode ser mortal.

Além disso, pessoas que sofrem ou que têm problemas gastrointestinais, úlceras pépticas, problemas de sangramento, devem evitar ingerir o óleo de rícino.


Aconselha-Se consultar com o médico diante de qualquer suspeita de envenenamento ou intoxicação. E suspender de imediato a ingestão do óleo se apresenta algum ou alguns sintomas que podem colocar em risco a saúde do organismo.


Mantenha afastado o óleo de crianças, almacénalo em um lugar fresco e seguro.


Conclusão:


O óleo de mamona é um produto natural, que tem muitas propriedades e benefícios. Uma opção para o alívio de várias doenças, bem como diversos usos, que data desde os tempos antigos.


Esse óleo, ele pode ser usado de várias formas, tanto ingerido como aplicado de forma tópica, a mais segura, é claro, é a tópica, se ingerido deve-se tomar cuidado com as doses utilizadas, para evitar efeitos secundários, ou overdose.


Entre suas principais vantagens, destaca-se a suas propriedades analgésicas, antimicrobianas, antifúngicas, pelo que não deve esquecer-se de tê-lo em casa, porque, em certo momento, você pode enfrentar qualquer problema de fungos, ou dores articulares, etc.


Outra vantagem do azeite é que ele tem também alguns usos estéticos, já que se você tem problemas de pele, você pode usá-lo como uma alternativa para melhorar o estado de sua pele, e sim também quer que cresça o seu cabelo, pois esta opção de uso.


Cada membro da família pode se beneficiar tendo óleo de rícino em casa.


Publicado em SAUDE | Comentários desativados em 10 Razões Por Que Cada Casa Deve Ter O Óleo De Rícino

Como lidar com um idiota sem se tornar um deles

Quantos imbecis conhece? Quem Nunca quis mostrar o estúpido que podem vir a ser? Claro que sim. Todos já passamos por isso, mas é difícil afear uma conduta, sem perder os papéis e a elegância. Além disso, essas pessoas desconfortáveis tem um dom: o de fazer com que você, ao mesmo tempo em que demonstram com sólidos argumentos, sua estupidez, se tornar, sem querer, em um deles.


Bernard Shaw deixou escrito um conselho para este tipo de situações: “Nunca lutares com um porco. Te encherás de barro e se rirá de ti“. Algo assim acontece na vida cotidiana. Lutar contra os argumentos que acabam refletindo a sua própria conduta é cada vez mais complicado. Por exemplo, como você deve reagir quando uma criança pequena não deixa de repetir uma frase, porque tu és o primeiro que, sem perceber, a diz? O que há que fazer quando, no meio de uma acalorada discussão com um colega de trabalho, intervém um terceiro para dizer que as duas partes estão erradas?


Costumamos cair no erro sem dar-nos conta de que as duas faces de uma moeda são a mesma


Calma. São situações de difícil saída. Labirintos de argumentos em que dois contrários procuram, com ideias idênticas, derrubar o outro. O problema é que este tipo de emaranhados são cada vez mais frequentes. Vemos todos os dias. Só faz falta ligar a televisão e ouvir um debate político ou de sair à rua e ver uma discussão de casal. Quase todo mundo quer mostrar a força que tem razão. Não importa que tenha ou não. Sempre haverá pessoas capazes de pensar que o seu é melhor.


“Psicologia do rosto”


Este problema, na verdade, não é novo. Vem de longe. Faz parte da essência e condição humana. O psicólogo Jeremy E. Shermanexplica em um artigo recentemente publicado na revista “Psychology Today’ que até mesmo a Igreja ou o Governo Soviético recorreram a este truque em seus discursos. Alguns eram muito bons, e outros eram os piores desde o início dos tempos.


Sherman oferece um exemplo claro. Imagine-se uma discussão entre um estalinista e um antiestalinista. O primeiro diz que os que não pensam como ele são uns hipócritas. E o segundo vem a dizer o mesmo. É dizer, que os hipócritas são os estalinistas. Ambos apontam com o dedo a mesma falta, o mesmo erro, sem cair na conta de que seu argumento é idêntico. Os dois, portanto, são iguais. Hipócritas de uma maneira ou de outra.



Héctor G. BarnésEl dinheiro tornou-se o único sinal que define o sucesso, adverte um dos especialistas em ‘management’. E por ele estamos dispostos a desculpar os desmandos dos empreendedores


É justamente neste ponto onde deve começar a gestão de pessoas conflitantes. Como? Sherman propõe uma técnica: a chamada psicologia do rosto. Uma alternativa para lidar com os argumentos presos e repetitivos. Uma forma de assinalar que as duas faces de uma moeda são, na realidade, as mesmas. O psicólogo propõe a fazer uso desta técnica para analisar o que se diz e rebater a ideia do contrário, de forma coerente, para não ser como ele. É questão de prática.


E se não funcionar?


Pode acontecer, mas há outras técnicas similares, que levam ao mesmo resultado. Não há muito, a editora Lid publicou uma série de livros que oferecem algumas orientações para resolver este tipo de confrontos dialéticos. O primeiro, dizem os responsáveis pela publicação, é identificar o tipo de pessoa que se tem à frente. No ambiente de trabalho, por exemplo, existem muitos tipos de companheiros: os destrutivos, os decepcionados, os desmotivados, os preguntones, os vagabundos, os trepas… Um sem fim de personagens. Diante de todos eles, o mais inteligente é desenvolver uma estratégia própria de sobrevivência para controlar o impacto de nossos semelhantes e desativá-los antes que eles comecem a dar problemas.


Quem for capaz de adaptar a sua maneira de se comportar em diferentes situações, pode reduzir o nível de caos que costuma reinar


Uma boa técnica de comunicação, certo talento para a negociação, muita bondade, otimismo e sorriso sempre fácil, pode ajudar bastante. Além disso, o livro recomenda evitar rivalidades e divergências desagradáveis para chegar a ser um verdadeiro catalisador de conflitos.


Na realidade é, como sempre, uma questão que se resume à atitude. Quem for capaz de adaptar sua maneira de comportar-se e modificar o seu pensamento em diferentes situações e com todos os colegas, pode reduzir, com a psicologia do rosto ou sem ela, o nível de caos que reina na maioria dos cenários.

Publicado em Uncategorized | Comentários desativados em Como lidar com um idiota sem se tornar um deles

Causas de disfunção aos 50 anos de idade

A disfunção. é uma doença que afeta uma grande quantidade de homens, está relacionado com a incapacidade de gerar uma ereção, ou atingi-las, mas não de maneira eficiente para manter uma relação sexual, é dizer que não tem a força suficiente, ou que não dura o tempo necessário.


A maioria dos casos de homens que sofrem com os sintomas de impotência masculina são entre 45 e 50 anos em diante, mas uma porcentagem de homens tem menos de 30 anos. As causas de difuncion. aos 50 anos de idade são muito variadas, além da idade, podem apresentar outras causas, como por exemplo:



  • Doenças cardiovasculares: Como o colesterol, a hipertensão, etc.

  • Problemas neurológicos, como por exemplo a esclerose múltipla.

  • Desordens hormonais: Os hormônios têm um papel importante no organismo, e uma alteração deles pode causar um desequilíbrio da função sexual, os problemas mais comuns das causas da impotência 50 anos hormonais são os distúrbios de hormônios tireoidianos e a falta de testosterona, que é o hormônio masculino.

  • Vícios: O álcool e o tabaco, tal como as substâncias ilegais são fatores desencadeantes da impotência o que devem ser.

  • A obesidade: Esta doença traz consigo outros problemas como, por exemplo, a diabetes e o colesterol, que é uma combinação letal para as ereções.

  • Distúrbios psicológicos: A psicologia do homem é muito mais forte do que se acredita, e é predominante dentro das disfunção. 50 anos causas, seja por depressão, ansiedade, pânico, problemas de trabalho, familiares, etc., Também pode ser causado por medo do fracasso, quando o homem passa seus 50 anos aparecem os medos a ser disfunçãoal no sexo, e esse mesmo medo é o que faz com que o seja.

  • Diabetes: Uma doença que afeta muitas pessoas, e é outro que causou a impotência a los50 anos.

  • Métodos: Os traumatismos pelve, crânio e coluna vertebral são responsáveis também a de.

  • Atrofia muscular.

  • Drogas: A toma de determinados medicamentos são fatores desencadeantes da disfunção). como um efeito secundário, mas se vai quando se suspenda o referido fármaco.

Como você pode ver são muitas as causas de disfunção. aos 50 anos, por isso que você tem que consultar um profissional se você estiver tendo o problema, para poder corrigi-lo de forma eficaz.


Tenha em conta também o fato de levar hábitos saudáveis para poder prevenir a doença, incluindo:



  • Não fumar.

  • Não beber álcool.

  • Ter uma alimentação balanceada.

  • Excluir da dieta frituras e alimentos processados.

  • Fazer rotinas de exercícios diários.

  • Evitar o estresse.

  • E outros.

Lembre-se que a disfunção. tem solução e não aparece por si só, sempre tem uma causa por trás, por que com um tratamento para erradicar a causa, se pode erradicar também a impotência.


Veja também os tratamentos recomendados para Disfunção Erétil com o Power Red suplemento sexual para homens e mulheres.

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Causas de disfunção aos 50 anos de idade

Razões Para Usar Vinagre de Maçã Para o Cabelo E Como Aplicá-lo

O vinagre de maçã tem muitos outros usos além de ser um excelente ingrediente do molho para saladas. Este tônico contém enzimas e bactérias que são benéficas para melhorar o processo digestivo, combater a obesidade e diminuir o colesterol.

Além do anterior, é um remédio natural, orgânico e econômico muito eficaz para o tratamento de várias afecções da pele e do cabelo.

Não importam as características do seu cabelo, o vinagre de maçã trará benefícios à sua aparência e saúde, por isso não deve faltar entre seus tratamentos de beleza.

Aqui oferecemos uma lista de 10 razões por que você deve incorporar o vinagre de maçã no cuidado do seu cabelo.

Leia também o nosso guia sobre o alecrim para o cabelo: Crescimento, aplicações, benefícios + receitas

1. Adiciona corpo e define os cachos

Se o seu cabelo é encaracolado e já reparou que já não se parece com a vida, o vinagre de maçã é a solução, já que lhe dá corpo e retorna a sua forma e queda natural.

Ao contrário dos shampoos e condicionadores, o vinagre de maçã não há pesado, o cabelo, o que significa que seu penteado vai ter mais movimento e corpo.

É muito provável que notes que não exigem a utilização de aparelhos elétricos de estreito, depois do enxágüe com vinagre de maçã; um benefício adicional, pois assim você evita um dano posterior.

2. Favorece o crescimento do cabelo e previne a queda

O vinagre de maçã estimula a circulação sanguínea no couro cabeludo, o que favorece a nutrição e a saúde dos folículos, fortalecendo as raízes. Uma adequada circulação é essencial para o crescimento do cabelo e para prevenir a perda.

Leia o nosso guia sobre as 14 maneiras de parar a queda do cabelo

3. Desembaraça o cabelo

O vinagre de maçã é usado com freqüência no lugar do condicionador, o movimento “não poo” (pessoas que não usam shampoo e só usam produtos naturais para limpar o cabelo), já que é muito útil para desembaraçar.

É muito dinheiro, pois sua acidez suaviza a cutícula favorecendo que os nós sejam desfeitas e permitindo uma escovagem mais fácil.

4. Adicione brilho ao cabelo

O estado em que se encontre a cutícula também influenciam o brilho, porque afeta a capacidade do cabelo refletir a luz, o que pode ser opaco.

Quando a cutícula está bem presa ao fio de cabelo, como acontece com a lavagem de vinagre de maçã, o cabelo pode refletir melhor a luz, o que lhe proporciona uma aparência mais saudável e brilhante.

Leia o nosso guia sobre como usar camomila para clarear o cabelo + 3 receitas

5. Reduz a porosidade do cabelo

O cabelo normal deixa que uma certa quantidade de umidade penetre a cutícula dos fios, mas o cabelo poroso absorve a umidade mais rapidamente e, igualmente, a perde.

Uma porosidade elevada gera dano ao cabelo diante do uso de tratamentos, produtos químicos e a exposição constante a elementos do meio ambiente. Este dano provoca buracos e furos na superfície do fio de cabelo, deixando-o exposto a danos maiores.

Embora você não pode alterar a porosidade natural do seu cabelo, você pode controlá-la com elixires de vinagre de maçã, pois ajuda a alisar e selar a cutícula, diminuindo os espaços vazios.

Para se certificar de que o novo cabelo que cresce esteja mais saudável, evita a fonte do problema (como o abuso de tinturas e decolorantes, por exemplo).

Como saber se você tem o cabelo poroso?

Mergulha uma seção de seu cabelo em um copo de água. Se afunda de imediato é que o seu cabelo tem porosidade elevada. Se a frota meio copo, tem porosidade normal. Se flutua na superfície e toma muito tempo para começar a mergulhar, é de baixa porosidade.

6. Previne as pontas duplas e o rompimento

Usando o vinagre de maçã freqüentemente, você estará de forma natural, evitando os nós do cabelo, selando as cutículas e melhorando a porosidade, o que resulta em um cabelo mais forte, com menos pontas duplas e quebra.

7. Proporciona equilíbrio ao pH do cabelo

O cabelo e a gordura natural que gera o couro cabeludo tem um pH entre 4,5 e 5,5. Quando o pH se mantém em níveis adequados, evita o crescimento de bactérias e diferentes infecções por fungos, o que se traduz em um cabelo saudável.

Infelizmente, muitos shampoos e vários produtos que usamos alteram o pH natural, afetando a cutícula dos fios e a saúde em geral do couro cabeludo.

O vinagre de maçã contém altas concentrações de ácido acético e tem um nível de pH muito semelhante ao do nosso cabelo.

Portanto, lave seus cabelos regularmente com este tônico ajudá-lo a ter o nível de acidez adequado e, se você tem cabelos oleosos, é muito benéfico.

8. Reduz o frizz

O desagradável frizz é causado pela separação ou levantamento das cutículas dos fios do cabelo. O vinagre suaviza a cutícula, o que é ideal para combater esse problema, que se apresenta com mais freqüência quando o ar é muito seco.

9. Tem propriedades antibacterianas e antifúngicas

O ácido acético é um antimicrobiano muito eficaz para matar fungos e bactérias, que são a causa de problemas como a caspa e queda de cabelo, por isso é ideal para o seu cuidado.

Lavar o cabelo com vinagre de maçã é um bom regime de prevenção para ter o cabelo e o couro cabeludo saudáveis, mantendo um ambiente inóspito para o crescimento de bactérias e fungos.

Lavar o cabelo uma vez por semana com vinagre de maçã é de grande ajuda para as pessoas que sofrem de caspa, já que também serve para prevenir a descamação.

10. Limpa a fundo

Ao usar tantos produtos na nossa cabeleira, desde shampoos e condicionadores até géis e sprays, vão-se acumulando resíduos, causando uma aparência opaca e sem vida.

Uma das maneiras mais eficazes e fáceis de eliminar esses resíduos é com vinagre de maçã.

Ao aplicar, certifique-se de deixá-lo em seu cabelo, pelo menos, durante 3 minutos, já que se calcula que esse é o tempo que requer o vinagre de maçã para quebrar as moléculas de tais resíduos, permitindo assim que sejam eliminados ao enxaguar.

Como escolher o vinagre de maçã?

No mercado existe uma grande variedade de marcas de vinagre de maçã disponíveis em lojas especializadas em produtos naturais e orgânicos, ou até mesmo no supermercado. No entanto, nem todos oferecem os benefícios que mencionamos.

Quando compras um vinagre de maçã, é provável que prefira os que parecem mais atraentes: “limpos” e claros.

Mas são os de aparência turva que você precisa comprar, pois aqueles que já foram pasteurizados e, no processo, perderam grande parte de suas propriedades.

Para se certificar de que você está comprando o melhor produto, adquire somente o vinagre de maçã que está rotulado como “orgânico”, cru e sem filtrar.

Estes costumam ser turvos e com sedimentos no fundo da garrafa, conhecidos como “a mãe”, que contém todas as enzimas e bactérias que fazem com que este produto seja tão recomendável para a saúde.

Como lavar o seu cabelo com vinagre de maçã?

Prepare a sua lavagem de vinagre de maçã é o mais simples.

  1. Mistura uma xícara de água e de 2 a 4 colheres de sopa de vinagre de maçã em um frasco com aplicador. Sacuda para misturar bem.
  2. Depois de ter lavado o cabelo com shampoo e enjuagado, vazia, pouco a pouco a mistura de vinagre em todo o seu couro cabeludo e ao longo do cabelo, tomando cuidado para que não caia em seus olhos (se isso acontecer, lave imediatamente com água em abundância).
  3. Massagear o couro cabeludo para que penetre a mistura e estimules a circulação e o crescimento do cabelo.
  4. Depois de um par de minutos, lave o vinagre.

Se você tiver o cabelo seco, comece com 2 colheres de sopa de vinagre para cada xícara de água. Se você tem cabelos oleosos ou com caspa, 3 ou 4 colheres de sopa de vinagre pode ser a quantidade necessária. Você pode ir ajustando as quantidades, de acordo com o que funcionar melhor para o seu cabelo.

Repita este processo a partir de uma vez por mês, até duas vezes por semana, dependendo das necessidades do seu cabelo. O recomendado, na maioria dos casos, é uma vez por semana.

Se você se preocupa ficar cheirando a salada depois, não tem por que; depois de seco o cabelo, o cheiro do vinagre desaparece.

Como adicionar ervas a seu enxágue?

Embora o vinagre de maçã é poderoso por si mesmo como um tratamento natural para os cabelos, adicionar algumas ervas ou flores pode servir para enriquecer a cor de seu cabelo ou tratar certas condições específicas do couro cabeludo.

Para misturar ervas no seu tratamento, você só deve colocar duas xícaras de vinagre de maçã e um copo de ervas trituradas em um frasco de vidro. Cobre e deixe descansar em um lugar escuro durante duas semanas.

Passado esse tempo, coe a mistura e vacíala em uma garrafa limpa.

A infusão de vinagre durar entre 6 meses e um ano, se a armazenar adequadamente em um lugar fresco e seco, a salvo do calor extremo e a umidade.

Para utilizá-lo, misture duas colheres de sopa da infusão de ervas de vinagre em um copo de água e lave seu cabelo como já mencionamos.

Nesta lista, dizemos-lhe que ervas enriquecem a cor do cabelo:

  • Romero ou salsa: Enriquece o cabelo escuro.
  • Sálvia: Cobre o cabelo encanecido.
  • Camomila: Inserido reflexos naturais ao cabelo loiro ou castanho claro.
  • Rosa mosqueta: Enriquece o cabelo avermelhado.

Estas ervas podem ajudar a tratar problemas específicos do cabelo e do couro cabeludo:

  • Calêndula: Condiciona o cabelo seco.
  • Urtiga: Reduz a caspa.
  • Lavanda: Inserido fragrância.
  • Tila: Fortalece o cabelo quebradiço.

Como adicionar óleos essenciais à sua lavagem?

Os óleos essenciais têm a mesma função que as ervas, mas a diferença é que estes não precisam de duas semanas para criar uma infusão.

Basta misturar 2 xícaras de vinagre de maçã com 5 a 10 gotas do óleo essencial e armazenar em um local escuro e fresco por até 12 meses.

Para usá-lo, diluídos de 2 a 4 colheres de sopa da mistura em uma xícara com água.

É importante esclarecer que nem todos os óleos essenciais são seguros de usar no cabelo, mas você pode usar os seguintes:

  • Óleo de cedro e sálvia: Estimula o couro cabeludo e o crescimento saudável do cabelo.
  • Camomila: Proporciona brilho e maciez aos cabelos. Alivia a irritação no couro cabeludo.
  • Gerânio: Fortalece o cabelo.
  • Lavanda: Condiciona a profundidade, adiciona brilho, ajuda a controlar a caspa e proporciona um agradável aroma.
  • Alecrim: Estimula as raízes, aumenta o crescimento do cabelo e melhora a circulação sanguínea no couro cabeludo.
  • Sândalo: Ajuda a combater as pontas secas e acrescenta fragrância.
  • Óleo de árvore de chá: Controla o cabelo oleoso.

Conclusões

O vinagre de maçã é um grande aliado no cuidado de nosso cabelo, já que graças às suas propriedades ajuda a fortalecê-lo, aumenta a circulação, melhora a textura dos fios, equilibra o pH e estimula o crescimento.

Lembre-se que você deve comprar o vinagre orgânico que contém a “mãe”, pois é o que possui as propriedades que mencionamos.

Não se esqueça de usar o vinagre diluído, pois, por ser um ácido não deve ser usado puro.

Coméntanos se tiver utilizado o vinagre de maçã como remédio home DIY (Do It Yourself) para o cabelo e que mudanças observaste.

Publicado em SAUDE | Comentários desativados em Razões Para Usar Vinagre de Maçã Para o Cabelo E Como Aplicá-lo

Exercício de 5 minutos que irá ajudá-lo a parar de roncar

Muitas pessoas não sabem que o têm, mas, de acordo com dados coletados pela Associação Americana do Sonho, nem mais nem menos do que 37% dos adultos ronca enquanto dorme. Um problema com importantes consequências para a saúde física (fadiga, hipertensão, problemas cardíacos, dor de cabeça) e mental (estresse, perda de memória, irritabilidade), que acaba deteriorando de forma considerável a qualidade de vida pessoal e social dos afetados.

Mudanças na posição para dormir, tiras para o nariz, dispositivos de avanço mandibular (aparelhos intra-orais), máquinas de pressão positiva nas vias aéreas (CPAP) e, em casos mais graves, cirurgia são os métodos mais comuns para corrigir ou amenizar a doença.

Nas fases mais profundas do sono, os tecidos na parte de trás da garganta relaxam. A chave para evitar o ronco está em exercício

Uma solução alternativa são os exercícios para fortalecer a musculatura responsável pela má respiração. Os doutores Mike Dilkes e Alexander Adams, autor de ‘Stop Snoring The Easy Way’, propõem, em um capítulo de seu livro uma técnica que permite que os afetados corrigir o problema, melhorando sua qualidade de sono como o de casais que dormem com eles. Para entender melhor, vejamos antes como e por que se produz esse som irritante.

Move a língua e tararea

Em si mesmos, os ronco são a consequência de uma série de vibrações em estruturas nasoorales, principalmente a úvula e o véu do paladar. A forma do crânio, pescoço e a idade fazem com que algumas pessoas sejam mais suscetíveis de produzir ronco, se bem que fatores como o álcool, o tabaco ou o excesso de peso podem condicionar o seu aparecimento.

O irritante som é provocado por um fluxo de ar resultante de um fechamento por zíperes anormais na garganta, o deslocamento da mandíbula, obstruções nas vias nasais, canais estreitos ou posições erradas na hora de dormir.

Se o motivo se deve a primeira causa listada abaixo, alguns exercícios utilizados em foniatría e em programas de reeducação da voz podem nos dar uma mão para que a situação melhore.

Foto: iStock

Quando entramos nas fases mais profundas do sono e todos os nossos músculos se relaxam, os tecidos na parte de trás da garganta podem tornar-se desleixados, fazendo com que o ar que passa através deles faça um ruído semelhante ao de uma bandeira aleteando ao vento.

Nestes casos, fortalecer esses músculos pode reduzir a obstrução sofrida (e, portanto, o ruído gerado) até 60%. Os exercícios propostos normalmente precisam de 45 minutos de sua rotina diária. Dilkes e Adams asseguram que, do ponto de vista da motivação, é muito difícil que esses programas possam completar com sucesso. Apontam, portanto, para uma técnica mais simples que, embora não seja tão eficaz melhora a qualidade do sono. Bastam apenas cinco minutos para realizá-la, pouco antes de ir para a cama. Estes são os três passos simples que você tem que fazer:

  1. Começa abrindo a boca o máximo e estique a língua o máximo que você puder.
  2. Move a língua de lado a lado e de cima para baixo.
  3. Tararea enquanto isso, com força, a sua canção favorita.

Gostou? Mande para seus amigos!

Publicado em SAUDE | Comentários desativados em Exercício de 5 minutos que irá ajudá-lo a parar de roncar

Exercícios para evitar a Disfunção Erétil

Os exercícios para evitar a Disfunção Erétil são a forma mais eficaz, segura e saudável de manter uma relação satisfatória com o seu parceiro. Durante o ato sexual, você pode sentir quando você estiver a ponto de chegar ao orgasmo, mas você tem apenas alguns segundos para decidir se continuar ou parar.


Infelizmente, nem todos os homens podem controlar a estimulação de seu pênis e gozar depois de atingir um certo nível de satisfação.


Então, se você quiser deixar de ser precoce te convido a ler este artigo e você vai aprender as técnicas para controlar o seu corpo e a sua mente.

como evitar a ejaculação precoce

como evitar a Disfunção Erétil


7 EXERCÍCIOS PARA EVITAR A Disfunção Erétil


Chegados a este ponto, a frustração que sente por ambos os lados: a sua parceira pode começar a duvidar de sua masculinidade ao mesmo tempo em que você perde a confiança em si mesmo.


Estes aspectos tão negativos podem influenciar decisivamente na hora de manter uma relação sexual. Se você quis saber como durar mais tempo na cama ou como controlar a Disfunção Erétil, estes exercícios são para você.


O primeiro passo para recuperar a auto-estima, costuma passar por experimentar alguns dos medicamentos e tratamentos para a Disfunção Erétil disponíveis no mercado, mas muito poucos homens são conscientes de que estão arriscando a sua saúde no processo.


De fato, não há nada mais confiável do que os exercícios que te proponho para superar a Disfunção Erétil, uma vez que quando se praticam em uníssono, são de grande ajuda para solucionar este problema.


Não há necessidade de ter qualquer tipo de preparação prévia ou fundo físico para começar com eles. O único requisito para obter os resultados desejados é manter a regularidade. Com estes exercícios para a Disfunção Erétil saber como durar mais tempo na cama.


EXERCÍCIO DE MASTURBAÇÃO


Para tratar a Disfunção Erétil, masturba-se de forma normal, antes de chegar ao clímax, relaxe um pouco e volte a repetir o processo uma e outra vez sem ejacular.


Este exercício tem como objetivo controlar a sensibilidade do pênis. Com o tempo, em questão de dias ou semanas, isso vai ajudar você a controlar melhor seus orgasmos , já que lhe permitirá conhecer melhor e em que momento você vai ejacular, e poderá parar antes.


EXERCÍCIO DE RESPIRAÇÃO


Se você quiser evitar a Disfunção Erétil esta técnica talvez seja das melhores. Todos nós sabemos que quando se aproxima o orgasmo as batidas do nosso coração se disparam. Aprender a controlar sua respiração, fará com que ele diminua seu pulso e conseguirá controlar a ejaculação. Para isso, é respirar de forma profunda e, sobretudo, relaxada.


EXERCÍCIOS MENTAIS


Quando você começar a sentir a sensação de que você está prestes a chegar ao orgasmo não entre em pânico. Afasta de sua cabeça pensamentos como “eu não posso aguentar”, “o que pensará o meu parceiro” ou “outra vez a mesma história”.


Isso não vai ajudá-lo, já que você vai aumentar o seu estresse, suas batidas , e será mais difícil que consiga controlar o seu corpo. O que você deve fazer é tentar procurar as palavras ou as imagens que se tranquilizem e concentrar-se nelas. Também vai servir realizar uma respiração relaxada e controlada, lembre-se do ponto anterior.


EXERCÍCIOS SEXUAIS


A glande é a parte mais sensível do pênis, o que vai ser responsável, em muitas ocasiões ejaculações iniciais. Um conselho para evitar seu favor é penetrar profunda e lentamente, movendo os quadris de forma suave. Desde o primeiro momento permite durar um pouco mais, e com a prática, será um grande exercício para controlar a ejaculação.


Isso irá diminuir a estimulação da glande, já que estará em contacto com a zona próxima ao colo do útero, que é mais larga, e por isso é mais fácil parar antes de chegar ao final.


EXERCÍCIOS PARA O MÚSCULO PC


Também conhecido como músculo pubococcigeo. Este músculo está diretamente envolvido com a expulsão do sêmen, ou seja, a ejaculação.


Ao realizar exercícios para melhorar o controle sobre o músculo, o que se faz é melhorar o controle sobre a ejaculação. O exercício consiste em contrair e relaxar o músculo repetidas vezes.


Para isso, você deve saber onde se localiza o referido músculo. Encontra-Se entre os testículos e o ânus, daí que também sejam conhecidos como músculos pélvicos. É o mesmo que atua durante a micção.


Para localizar com maior facilidade, pode-se praticar o exercício, enquanto você está urinando. Ao expulsar a urina vai se sentir como o músculo se movimenta. No momento de parar o fluxo o músculo se relaxa.


Este exercício, uma vez que sejas consciente de onde se encontra o músculo, você pode praticar em qualquer lugar, já que não há necessidade de urinar para realizá-los.


EXERCÍCIO DE LABIRINTO


São, em essência, os exercícios para o músculo PC. Trata-Se de variações, conseguindo com eles a ter um maior fortalecimento do músculo pucoccigeo. Na realidade trata-se de uma série de exercícios de Labirinto, chamados assim por Arnold Labirinto. As variações vão de sessões que duram de poucos minutos até meia hora.


EXERCÍCIOS COMBINADOS


A ereção do pênis e ejaculação dependem diretamente da tensão arterial e, portanto, os métodos propostos te vão ajudar a controlá-la. A combinação de exercícios anteriores, realizados de forma constante, têm um efeito positivo na saúde em geral, além de melhorar sua potência sexual te ajudar a ficar em forma, como acontece com os exercícios de labirinto.


Deixará de ser ejaculador precoce, enquanto você pode melhorar a sua saúde. não é excelente?


CONCLUSÃO


Agora você já sabe que os exercícios para evitar a Disfunção Erétil são melhores e mais saudáveis do que qualquer medicamento que você pode encontrar no mercado. Lembre-se que foram especificamente concebidos para ajudar os homens a aumentar a sua potência sexual e ajudá-los a recuperar a confiança em si mesmos. Se as práticas de maneira correta vai se sentir como você começa a durar mais em poucos dias.

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Exercícios para evitar a Disfunção Erétil

tudo o que você precisa saber

dieta-sem-açúcar

O adulto médio consome muito mais açúcar do que o necessário, portanto, que reduzir a ingestão de açúcar é uma boa idéia para a maioria das pessoas. Algumas pessoas dão um passo a mais e até mesmo cortar de raiz a sua relação com o açúcar.

Ultimamente, a dieta sem açúcar ganhou em popularidade à medida que as pessoas procuram formas eficazes de manter-se saudável ou perder peso. No entanto, nem todos estão convencidos de que a dieta sem açúcar funcione.

Seja retirada por completo o açúcar da dieta, ou simplesmente reduzamos a quantidade que tomamos, aqui vão 8 dicas práticas:

1. Faça-o gradualmente

Uma das coisas mais importantes a ter em conta ao mudar a dieta é fazê-lo gradualmente. Passar de uma dieta cheia de açúcar, a uma que não contenha açúcar deve ser um processo lento. Podemos começar eliminando as fontes mais óbvias-de-açúcar: bolos, cupcakes… eliminar doces e bebidas açucaradas é uma excelente forma de começar. Reduzir a quantidade de açúcar que colocamos o café ou chá também é essencial.

Você também pode gostar: Dez dados sobre a dieta mediterrânea

2. Lê as tags

Uma vez que você tenha conseguido eliminar o açúcar mais óbvio da dieta, você pode se concentrar em outros produtos que contêm açúcar. Ler os rótulos pode ajudar a identificar os tipos de açúcares que se devem evitar. O açúcar tem muitos nomes (61) e encontra-se em muitos xaropes e concentrados diferentes. Os mais comuns incluem: açúcar de cana ou açúcar mascavo, xarope de milho ou xarope de milho com alto teor de frutose, açúcar de beterraba, cana-de-coco, xarope de agave, concentrado de sumo de maçã ou uva, mel ou rapadura. Além disso, qualquer coisa que você terminar com o sufixo “-osa” também conforma um tipo de açúcares, como a sacarose, a glicose, a dextrose, frutose ou lactose
Os açúcares se escondem em muitos alimentos diferentes no supermercado, por que ler a etiqueta é uma necessidade absoluta para aqueles que querem seguir uma dieta sem açúcar.
Os molhos para saladas e temperos, molhos para massas, cereais para o pequeno-almoço, o leite e as barrinhas de cereais, frequentemente contêm açúcar em sua lista de ingredientes.

3. Evite carboidratos simples

Muitas dietas sem açúcar também recomendam que as pessoas evitem os carboidratos simples. Os carboidratos simples incluem farinha branca, macarrão branco e arroz branco. Os hidratos de carbono, esses alimentos podem decompor-se rapidamente em açúcar no corpo, o que pode fazer com que aumentem os níveis de açúcar no sangue aumentem. O mais simples é substituí-los por versões integrais.

4. Evite os açúcares artificiais

São muito mais doces que o açúcar, mas contém pouca ou nenhuma quantidade de calorias. No entanto, tomar açúcares artificiais pode enganar o corpo, fazendo-o crer que, na realidade, está comendo açúcar. Isso pode exacerbar os desejos de açúcar de uma pessoa, fazendo com que seja mais difícil para eles manter uma dieta sem açúcar. Evitar Splenda, Stevia… Se você está procurando o nome químico destes adoçantes nos rótulos de ingredientes pode encontrar: aspartame, sucralose ou sacarina.

O consumo excessivo de açúcar está relacionado com a obesidade e a síndrome metabólica, diabetes tipo 2, pressão alta e colesterol, inflamação crônica, cárie…TAMBÉM PODE TE INTERESSAR Os alimentos mais saudáveis

5. Não bebas açúcar

O açúcar pode ser fácil de evitar os alimentos processados, mas as bebidas açucaradas, como refrigerantes, chás adoçados e os sucos de frutas, são uma das fontes mais importantes de açúcares na dieta. Substituindo essas bebidas com chá de ervas sem açúcar, café sem açúcar, água mineral com gás ou simplesmente água pode ajudar a reduzir a ingestão de açúcar e manter hidratado.

6. Concentre-se nos alimentos integrais

Os alimentos processados têm mais chances de conter ingredientes refinados ou açúcares adicionados, assim que devemos inclinarnos para alimentos como: vegetais, frutas, carnes magras, aves de capoeira ou tofu, peixe, grãos inteiros, sem processar e legumes, nozes e sementes.

7. Planeie as refeições

Seguir uma dieta sem um planejamento é difícil. Quando temos fome, é mais provável que busquemos um lanche saudável se não temos refeições nutritivas e petiscos à mão.

8. Tempera suas refeições

O paladar frequentemente saudades do açúcar, porque não tem outros sabores para substituí-lo. Muitas ervas e especiarias, com um sabor doce podem ser adicionados facilmente os alimentos e bebidas para substituir o açúcar. Podemos usar: canela, noz-moscada, cardamomo, baunilha…) Podemos acrescentar ao café ou espolvorearlas sobre os cereais ou iogurte.

Riscos e considerações

Antes de começar uma dieta sem açúcar, você deve considerar se você também quiser remover os açúcares naturais, isto é, aqueles que se encontram nas frutas e alguns produtos lácteos. Se bem que algumas dietas sem açúcar dizem, você deve remover a fruta, não é uma boa idéia. A fruta pode fornecer muitos nutrientes, fibras, antioxidantes e outros compostos saudáveis que ajudam a proteger o corpo de doenças. Incluir as frutas inteiras em uma dieta sem açúcar pode ser saudável, desde que tomemos a fruta com moderação.

Se quiser viver sem açúcar, você tem que deixá-lo gradualmente

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em tudo o que você precisa saber

As dietas yo-yo aumentam o risco de morte

dieta-eu-eu 


A obesidade está cada vez mais comum no mundo e a variedade de dietas para tentar perder peso, também. No entanto, muitas pessoas que perdem peso o recuperam rapidamente. Agora, uma pesquisa sugere que perder e recuperar o peso rapidamente de forma contínua (o que conhecemos como efeito yo-yo), pode aumentar o risco de morte por doença cardíaca.


O estudo, levado a cabo pelo Hospital memorial de Rhode Island em Pawtucket (EUA). UU.) expõe que estas dietas podem ser nefastas para a saúde, especialmente para o coração, mesmo se não tiver excesso de peso. Esta consequência foi evidente entre as mulheres mais velhas.


Para o experimento, os pesquisadores dividiram a 158.063 mulheres na pós-menopausa em quatro categorias: peso estável, ganho constante, perda de peso mantida e ciclo de peso. Todas as voluntárias tiveram um seguimento de mais de 11 anos. Além disso, estabeleceu-se o peso estável como a capacidade de aumentar ou perder 4,5 kg ao longo da vida adulta. Depois dos 11 anos, os especialistas descobriram que as mulheres que tinham um peso normal ao início do estudo, mas logo perderam e reconquistaram peso tiveram um risco muito maior de morte cardíaca súbita, em comparação com as mulheres que mantiveram um peso estável em todo o período.


De fato, as mulheres com peso normal que experimentaram posteriormente, o efeito yo-yo tiveram 3,5 vezes mais chances de morrer de ataque cardíaco repentino que as mulheres cujo peso manteve-se estável. Não houve aumento da mortalidade, em que aumentaram de peso, mas não o perderam, nem em mulheres que perderam peso, mas não recuperaram.


O número de pessoas obesas que trata de perder peso é 5 vezes mais alto do que os que têm um peso normal

Publicado em DIETA | Comentários desativados em As dietas yo-yo aumentam o risco de morte

As dietas baixas em sal nem sempre são boas

Sal

Há anos, os especialistas no coração de todo o mundo têm dirigido seus dardos contra o sal, a que tenham se tornado inimiga pública da saúde, enquanto forçavam as vantagens das dietas com pouco sódio. No entanto, um novo estudo publicado na revista The Lancet poderia fazer para mudar esta concepção. De acordo com esta pesquisa, prescindir do sal não é tão bom como se pensava, já que pode aumentar o risco de sofrer alguma doença cardiovascular, em comparação com uma ingestão moderada.

A pesquisa sugere que as únicas pessoas que devem realmente reduzir a ingestão de sódio na sua alimentação são aquelas que sofrem de hipertensão. Para alguns especialistas envolvidos no novo estudo, o consumo de sal deve ser diferente no paciente hipertensos do que em quem tem a tensão em níveis normais. Para os que têm a pressão arterial alta, o consumo excessivo é ruim, mas também é contraproducente suprimir a sal, já que o risco cardiovascular aumenta quando a ingestão é muito escassa.

Dados e curiosidades sobre o coração

O trabalho em questão foi realizado pelo Instituto de Pesquisa de Saúde da População (PHRI) da Universidade de McMaster, junto ao hospital Hamilton Health Sciences, ambos nos Estados Unidos, com mais de 130.000 pacientes de 49 países. De acordo com Andrew Mente, principal autor do estudo e pesquisador do PHRI, “esta descoberta é importante para as pessoas que sofrem de tensão arterial alta. Nossos dados revelam a necessidade de que as pessoas com hipertensão reduzam o consumo elevado de sódio, como até agora vinha pregando, mas isso não significa que o resto dos cidadãos devem minimizar a sua ingestão”. E que a baixa ingestão desse mineral está associada com maior propensão a sofrer ataques cardíacos, derrames e mortes, em comparação com um consumo moderado.

Estudos anteriores já haviam demonstrado que tomar pouco sódio–, quando comparada com o consumo moderado – está relacionado com problemas cardiovasculares, mesmo em casos de baixa pressão arterial. Mas este novo trabalho expõe que os riscos produzidos pelo baixo consumo de energia –menos de três gramas por dia– são permanentes, independentemente do nível de hipertensão que sofra o paciente. Somente cerca de 10 % da população envolvida no estudo tinha hipertensão e tomava muito sódio (mais de 6 gramas por dia). Mente explica que “consumir pouco sódio reduz um pouco a tensão arterial, mas se a dose é mínima, poderão ocorrer outros efeitos adversos, como a elevação de certos hormônios, que são piores do que o suposto benefício. A questão-chave não é se a pressão arterial é menor com uma baixa ingestão, mas se este tipo de consumo, melhora a saúde em geral”. Em suma, para estes pesquisadores, como norma geral, deve-se recomendar um consumo moderado de sal, mas não a sua supressão, nas dietas.

Publicado em DIETA | Comentários desativados em As dietas baixas em sal nem sempre são boas

Praticar sexo é bom para a sua saúde

cama de saúde

 

Sexo é bom para a sua saúde

O psicólogo Stuart Brody, da Universidade do Oeste da Escócia, no Reino Unido, decidiu-se estudar se o sexo do casal é mais saudável do que no solo, e chegou à conclusão de que as relações compartilhadas são muito mais satisfatórias que a masturbação. Tem a sua lógica, pois, se fosse o contrário, talvez a humanidade teria sido extinta.

Para chegar a esse resultado, Brody mediu a taxa de prolactina no sangue, hormônio com efeito relaxante, que é liberado após o clímax, e descobriu que era um 400 % mais elevada entre os que tiveram uma relação convencional entre os que se autosatisficieron.

A prolactina tem ainda outra conseqüência: nos permite sentir melhor, segundo comprovou o professor Samuel Weiss, da Universidade de Calgary, no Canadá, através de uma pesquisa em ratos, já que há que se duplique o número de novas células nervosas no bulbo olfativo, a parte do cérebro que regula o cheiro.

Remédio para o coração

Mas se existe um órgão que fica de pérolas é o coração. Seu efeito cardioprotector é semelhante ao do exercício físico regular. No coito, o ritmo cardíaco passa de setenta batimentos por minuto, cerca de 180, e, fruto dessa atividade, se gastam as mesmas calorias que consumiríamos andando rápido durante meia hora.

Como qualquer atividade intensa, o sexo tonifica todo o corpo, mas sobre toda a zona pélvica. As contrações da vagina e os espasmos do esfíncter anal e uretral –ambos os sexos– são tão eficazes como os exercícios de Labirinto. Estes são recomendados após o parto ou para melhorar o controle da urina na terceira idade. Seus efeitos entre as mulheres são muito contrastantes, conforme explica o ginecologista Ramón Serrano Vicens, em seu livro A sexualidade feminina, uma investigação estatística (Ruedo Ibérico, 1972). Este pioneiro no estudo do impacto do sexo na saúde apontou que as mulheres que se masturbam têm contrações do útero mais eficazes no parto do que as que não o fazem.

Há meninas que recorrem a esta medicina para combater as regras dolorosas. As dores diminuem, porque com o orgasmo ativa o centro corporal que mitiga a dor, o cérebro médio. Quando chega o clímax, este dá a ordem para libertar endorfinas e corticosteróides, que têm um efeito sedativo sobre as terminações nervosas associadas aos cólicas menstruais e dores de cabeça. Por outro lado, a oxitocina, que também é liberado, tem efeitos anti-stress e baixa a tensão arterial e o ritmo cardíaco.

O dr. Serrano Vicens, sustentava que o sexo reflete uma estreita relação entre o psíquico e o físico, e dava alguns dados que confirmam isso: apenas 15 % das mulheres que se masturbam, isto é, têm uma sexualidade mais livre, sofrem de dismenorréia; contra a 80% das meninas com um perfil mais ansioso, que também o fazem, mas com sentimento de culpa. As pessoas que sofreram um infarto lhes invade uma sensação tão paralisante. Gostariam de desfrutar, mas duvidam se o seu coração não resistirá. A incerteza da cancelam com rapidez os médicos: não só pode suportá-lo, mas que agradecer.

Alternativa ao ibuprofeno chamada Herus:

Você sabia que existe alternativas naturais, como o Herus Caps, que é um estimulante sexual que age sem efeitos colaterais e sem produtos quimicos que acabam afetando seu organismo ou até mesmo correndo algum risco de infarto.

Veja os relatos:

“A relação sexual envolve menos risco para o coração que subir uma escada ou um jantar em família típica de Natal”, explica Jesus Ramos Brieva, psiquiatra do Hospital Ramón y Cajal de Madrid e pesquisador de domínios da sexualidade. Neste caso, os especialistas si puntualizan –e não por pudor– que, sempre que a relação seja com o casal, já que o estresse acrescentado que supõe dar uma cana ao ar sim, implica maior perigo. Em seu livro Mulheres a sós, Brieva recolhe o testemunho de um grupo de mulheres usuárias do onanismo com múltiplos objetivos, além de ser proporcionado prazer. As mulheres que se masturbam têm contrações do útero mais eficazes no parto do que as que não o fazem.

Mede a sua inteligência sexual

Um dos mais frequentes é para tentar conciliar o sono. “Quem não já alguma vez tentou vencer a insônia casal foi atacado braços Theater da mão de Eros?”, se pergunta o psiquiatra. Não é que um orgasmo, em casal, ou sozinho, possa substituir sempre os ansiolíticos, embora em algumas situações é estabelecido como uma alternativa a ter em conta. De fato, de acordo com o psicólogo e divulgador científico Morton Hunt, 30% das pessoas utilizam-no como substituição das pastilhas. Além disso, frente a estas, o prazer erótico apresenta duas vantagens: não causa efeitos colaterais e não tem o perigo de dependência destes medicamentos quando tomados durante mais de um mês.

Constitui uma válvula de escape formidável para lidar com situações de tensão. “É um excelente relaxante mesmo para antes de uma entrevista de trabalho ou de uma oposição“, aponta o dr. magnus amaral campos. Orvalho, cuja experiência se recolhe em Mulheres a sós, reconhece que foi usado o autoerotismo, como alternativa à aspirina, o ibuprofeno e o paracetamol. “Eu Me masturbo quando me dói a cabeça… e funciona!”, conta alborozada. Em outro testemunho, Laura explica que se masturbar pela manhã antes de ir trabalhar fornece energia para todo o dia, algo que confirmam os estudos científicos, de acordo com o dr. magnus amaral campos: “Não por acaso deixou de ser proibido o sexo nas concentrações esportivas antes de uma prova; agora mesmo incentiva-se”.

Benefícios para os atletas

Platão disse que os olímpicos deveriam evitar as relações sexuais antes da competição, mas a ciência lhe foi alterado o plano: a abstinência não melhora a resistência e a potência aeróbica ou velocidade máxima. O sexo reporta também vantagens mentais, como já verificado na Universidade de Pavia, na Itália. Lá, um grupo de neurologistas constatou-se que o clímax se favorece a síntese de neurotrofinas, proteínas que desempenham um papel crucial na memória e o aprendizado.

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Praticar sexo é bom para a sua saúde

As dietas melhoram o humor, o sono e o sexo

dieta

Muitos não acreditarão, porque fazer dieta normalmente se vincula a um processo longo e muito desagradável em que a pessoa fica de mau humor por ter que se privar de comer o que você gostaria, mas, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores do Centro de Pesquisa Biomédica Pennington de Baton Rouge (Louisiana, estados unidos. UU.), se uma pessoa com peso normal ou com um ligeiro excesso de peso, reduz a ingestão de calorias, você conseguirá melhorar o seu humor e sua vida sexual. Além disso, deve certificar-se de poder dormir melhor.

O estudo, realizado durante um período de dois anos e publicado recentemente pela revista JAMA Internal Medicine, tomou-se como amostra a mais de 200 homens e mulheres saudáveis entre 20 e 50 anos. Todos eles com um índice de massa corporal (IMC) entre 22,0 e 28,0 (ou seja, que o seu peso era normal ou sofreram algum excesso de peso, mas em nenhum caso eram obesos).

Você também pode gostar: A dieta mediterrânea reduz o risco de depressão Alimentos que combatem a ansiedade

Alimentos que combatem a ansiedade

Distribuiu-Se em dois grupos, as pessoas que participaram no estudo, de forma que os de um comprometeram-se a levar uma dieta que deveria ingerir 25% a menos de calorias, enquanto que os que compunham o grupo de controle continuaram comendo como antes.

Após o período de dois anos, os membros do grupo, que haviam passado a ter menos caloriastinham melhorado o seu estado de espírito, havia aumentado o seu desejo sexual, dormiam melhor e se sentem menos estressados em comparação com os do outro grupo.

“Nos demos conta de que aqueles que têm um peso normal ou são pessoas com um ligeiro excesso de peso e desejam emagrecer não deve se preocupar com o fato de que possa diminuir a sua qualidade de vida. Na realidade, o que podem esperar é se sentir melhor“, explica Corby Martin, diretor do Laboratório de Comportamento Ingestivo do centro, que levou a cabo a investigação e diretor do estudo.

Para dizer A verdade, os indivíduos do grupo que deviam restringir as calorias 25% ficaram em uma média de 11,9%, e, embora não atingiram o objetivo inicialmente previsto, conseguiram emagrecer uma média de 7,6 quilos, enquanto que os do grupo de controlo quase não tiveram nenhuma alteração.

É impossível deduzir se os benefícios teriam sido maiores no caso em que a restrição calórica tivesse chegado a 25%, ou, pelo contrário, alcançar essa cifra teria sido mais consequências negativas do que positivas. Esta é uma pergunta que se fazem os autores do estudo, já que, de acordo com os dados obtidos, podem-se deduzir que a redução de 12% a ingestão de calorias sim aportaria benefícios para a qualidade de vida.

De fato, existem estudos que levantam os principais efeitos negativos que podem reportar-nos a dietas baseadas em uma restrição calórica excessiva e sem supervisão médica adequada, uma vez que podem levar à desnutrição e, portanto, a problemas de saúde. Anemia, depressão, irritabilidade, sonolência, cansaço… são alguns dos riscos que uma ingestão muito baixa de calorias pode nos trazer.

Existem estudos que levantam os principais efeitos negativos que podem reportar-nos a dietas baseadas em uma restrição calórica excessiva e sem supervisão médica adequada

Publicado em DIETA | Comentários desativados em As dietas melhoram o humor, o sono e o sexo

Qual é a definição de Abstinência e Não Penetração (Outercourse)?

A definição de abstinência é a ausência de relações sexuais. As relações sexuais sem penetração são outra actividade sexual, além do que o sexo vaginal. A abstinência sexual e as relações sexuais sem penetração podem significar coisas diferentes para cada pessoa.


O que é a abstinência?


As pessoas são abstinentes por muitas razões diferentes. Às vezes, as pessoas usam a abstinência como método contraceptivo para prevenir a gravidez.


A abstinência pode significar coisas diferentes dependendo de quem você perguntar. Muitas pessoas afirmam que a abstinência consiste em não realizar NENHUM tipo de atividade sexual com outra pessoa, incluindo o sexo vaginal, oral e anal; isto o chamamos de “abstinência” neste artigo.


A abstinência evita a gravidez ao impedir o contato do sêmen com a vagina, de modo que os espermatozóides não possam entrar em contacto com o óvulo para causar uma gravidez. Se você é abstinente o tempo todo, não pode ocorrer a gravidez.


Às vezes, as mulheres só usam a abstinência para evitar a gravidez, os dias em que são férteis (em que há mais chances de engravidar), mas, talvez, têm sexo vaginal em outros momentos. Isso é chamado de observação da fertilidade.


Qualquer pessoa pode ser abstinente, sem importar a idade, o gênero, a sexualidade ou as experiências sexuais que já teve. As pessoas são abstinentes de vez em quando, por razões que podem variar com o tempo, e alguns são abstinentes durante toda a vida. Você pode escolher ser abstinente quando quiser, mesmo se você teve relações sexuais anteriormente.


Para algumas pessoas, a abstinência significa não ter nenhum tipo de sexo. Para outras, a abstinência significa apenas não ter sexo vaginal, mas são permitidas outras atividades sexuais.


Quando se trata de evitar uma gravidez, todas as atividades sexuais, além do sexo vaginal são chamados de “relações sexuais sem penetração”.


O que são as relações sexuais sem penetração?


Muitos casais querem ter atividades sexuais sem ter sexo vaginal, para evitar o risco de gravidez. As relações sexuais sem penetração podem evitar a gravidez, da mesma forma que a abstinência: impede que os espermatozóides se encontram com o óvulo.


Praticar relações sexuais sem penetração, como método contraceptivo significa que você pode realizar algumas atividades sexuais, mas sem fazer sexo vaginal ou que o esperma entre a vagina. Desta forma, os espermatozóides do sêmen não podem entrar em contato com o óvulo e provocar uma gravidez. .


Entre alguns exemplos de relações sexuais sem penetração, incluem-se masturbar, ter sexo no seco (esfregar) e falar sobre suas fantasias.


É possível que as pessoas também tenham sexo oral e/ou sexo anal. O sexo oral não ocorrer uma gravidez, e o sexo anal não (excepto se se derrama o sêmen na vagina). Mas tanto o sexo anal, como o oral pode transmitir DSTS (doenças sexualmente transmissíveis). Portanto, usa uma camisinha durante o sexo oral e o sexo anal.

Seguinte Quão eficazes são a abstinência e a relação sexual sem penetração?

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Qual é a definição de Abstinência e Não Penetração (Outercourse)?

Sexo seguro | Reduz o seu risco de contrair DST

O que significa “sexo seguro”?


Sexo seguro significa proteger-se e proteger seus pares contra doenças sexualmente transmissíveis (DST). O sexo seguro ajuda a manter-se saudável e pode até melhorar a experiência sexual.


Como ajuda o sexo seguro para me proteger contra as DST?


As doenças sexualmente transmissíveis são infecções que se transmitem de uma pessoa para outra durante a atividade sexual. Qualquer um que tenha sexo oral, anal ou vaginal ou contato genital de pele a pele com a outra pessoa pode contrair uma DST. O sexo seguro implica tomar medidas para se proteger e proteger a sua parceira contra as DST quando tem sexo.


Há muitas maneiras para que o sexo seja mais seguro. Uma das melhores formas é utilizar uma barreira, como o preservativo, o preservativo feminino a barreira de látex oral, a cada dez que tem sexo oral, anal ou vaginal. As barreiras cobrem partes dos órgãos genitais, maria, a ti e a teu par de líquidos corporais e de algum contato pele a pele, que constituem as vias de contágio das DST.


Fazer testes de DST periódicas também é parte do sexo seguro, mesmo se você sempre usar preservativos e sente-se perfeitamente bem. A maioria das pessoas com DST não apresentam sintomas nem sabem que estão infectados, podem transmitir facilmente a infecção aos seus pares. Por isso, a única maneira de confirmar se alguém sofre de uma doença sexualmente transmissível é fazendo os testes.


Os exames são uma forma de proteção, já que permitem saber se você TEM uma DST. Assim, você pode receber o tratamento adequado para manter-se saudável e evitar contagiar outras pessoas.


Limitar-se a atividades sexuais que não permitem o contágio de doenças sexualmente transmissíveis , como o sexo sem penetração ou masturbação mútua (masturbação em casal), é uma excelente maneira de obter prazer sexual e ter intimidade com outra pessoa. No entanto, se tiram a roupa e se tocando ou têm alguma forma de sexo, o mais seguro é usar uma barreira.


Outra forma para ter sexo seguro é não tomar muito álcool ou consumir drogas. Emborracharte ou estar drogado pode fazer você esquecer a importância do sexo seguro e, sem querer, pode te levar a tomar decisões que aumentem suas chances de contrair uma DST. Se você está bêbado ou drogado, é mais difícil usar corretamente o preservativo e lembrar-se de outras questões básicas do sexo seguro.


A única forma de ter a certeza de que não se contagiarás de uma DST é evitar todo tipo de contato sexual com outra pessoa por completo. No entanto, isso não é aplicável a grande parte da população: a maioria de nós temos intimidade sexual com outras pessoas em algum momento de nossas vidas. Se você vai ter sexo, a melhor maneira de evitar o contágio de uma doença sexualmente transmissível é ter a certeza de que é seguro.


Como se contagiam as DST?


Os ETS costumam ser transmitidas de uma pessoa para outra durante o sexo oral, anal ou vaginal. Existem muitas ETS diferentes. Algumas são transmitidos em fluidos corporais, como sêmen, as secreções vaginais e o sangue. Outras podem ser transmitidas pelo simples contato pele a pele em uma área corporal infectada. O uso de barreiras, como o preservativo e as barreira orais de látex, você ajuda a evitar o contato com secreções e algumas formas de contato pele a pele durante as relações sexuais. Quando não estiver usando preservativos, suas chances de contrair uma DST aumentam.


Todas as DST podem infectar os órgãos genitais. O sexo anal ou vaginal sem camisinha implica um elevado risco de contágio das seguintes doenças:


Algumas DST também podem infectar os lábios, a boca e a garganta. O sexo oral sem camisinha ou sem uma barreira implica um elevado risco de contágio das seguintes doenças:


Algumas DST também podem ser transmitidas pelo simples contato pele a pele, sem que se troquem secreções. O contato pele a pele entre genital pode transmitir as seguintes doenças:


Como algumas formas de sexo são mais seguras que outras?


Sim. Não só isso, existem algumas maneiras de receber prazer sexual e ter intimidade com outra pessoa que não representam nenhum tipo de risco, como a masturbação e o sexo em seco (fricção) com a roupa.


As atividades de baixo risco incluem beijar, tocar os genitais do parceiro com as mãos, usar brinquedos sexuais com seu parceiro, o sexo em seco (rubbing) sem roupa e o sexo oral. No entanto, é possível contrair certas doenças sexualmente transmissíveis durante estas atividades, assim que, sempre que puder, use camisinha e barreiras para evitar o contato com a pele e as secreções a fim de mantê-lo saudável.


Praticar sexo anal ou vaginal sem camisinha é muito arriscado. Você pode infecção qualquer das DST durante o sexo anal ou vaginal sem proteção. A melhor maneira de se proteger é usar um preservativo cada vez que se têm relações sexuais vaginais ou anais. O uso de um lubrificante com a camisinha também faz com que o sexo seja mais seguro, em especial o anal.


No caso do HIV, o sexo oral é muito mais seguro do que o sexo vaginal ou anal. Não obstante, outras infecções, como o herpes, a sífilis, a hepatite B, gonorréia e infecção por HPV, podem ser transmitidas pelo sexo oral. Sem importar o tipo de sexo que tenha, use um preservativo ou uma barreira para que seja mais seguro.


Se tenho uma DST, como faço para ter sexo mais seguro?


Se tiver conhecimento de que você tem uma DST, é importante que você saiba como fazer sexo seguro e evitar o contágio. Por sorte, muitas ETS se curam-se facilmente com medicamentos, assim que, uma vez finalizado o tratamento, já não tem que se preocupar por repassá-la a outras pessoas.


Embora algumas ETS não têm cura, existem maneiras de tratar os sintomas e ajudar a evitar que as transmita para as pessoas com as que você tem sexo. Segundo a ETS que te mortifiques, existem diversas opções que podem ajudar a proteger seus pares. Apresentamos-lhe uma lista prática:



  • Sempre use camisinha e uma barreira de látex bucal quando fizer sexo oral, anal ou vaginal, sem importar se você tem ou não uma doença sexualmente transmissível.

  • Não manter relações sexuais se você tiver sintomas de uma DST (como úlceras ou verrugas ao redor dos genitais; uma rara secreção do pênis, da vagina ou do ânus; ou comichão, dor, irritação ou inchaço do pênis, da vagina, da vulva, do ânus).

  • Consulte um médico ou enfermeiro para começar o tratamento de DST e aids, o mais breve possível.

  • Se você tem uma DST que pode ser curada (como a gonorreia, a clamidiasis ou sífilis), toma todos os medicamentos de acordo com as indicações do médico, mesmo que os sintomas desapareçam antes. A infecção permanece no organismo até que você termine seu tratamento por completo. Seu(s) parceiro(s) deve(m) receber o tratamento ao mesmo tempo. Não tenham sexo até que os dois terminem o tratamento e o médico ou o enfermeiro, o autorizem.

  • Se você sofre de uma doença sexualmente transmissível que não tem cura (como a infecção pelo HIV ou herpes), fale com o seu médico sobre os medicamentos que pode tomar para diminuir as chances de repassá-la a seu parceiro. Dependendo da ETS que te mortifiques e onde se encontre, talvez precise usar um preservativo ou uma barreira cada vez que tiver sexo oral, anal ou vaginal.

Dize-lhes sempre a seus parceiros sexuais que você tem uma DST antes de fazer sexo, de modo que possam traçar um plano para ter sexo seguro e prevenir o contágio. Não é uma conversa fácil, mas é importante. Estas são algumas sugestões que podem ajudá-lo.

Seguinte, o Que devo fazer para que o sexo seja mais seguro?

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Sexo seguro | Reduz o seu risco de contrair DST

A Masturbação, você é boa para mim?

A masturbação é normal e pode ser uma maneira saudável de aprender sobre seu corpo. De fato, é a forma mais segura de sentir prazer sexual, já que não há risco de gravidez ou doenças sexualmente transmissíveis.


É saudável se masturbar?


Se masturbar é totalmente saudável e totalmente normal. Existem muitos mitos criados para dar-lhe medo e fazer você acreditar que a masturbação está mal ou te faz mal. A verdade é que a masturbação é perfeitamente segura. Masturbarte não fará com que fique cego/a, nem louco/a ou estúpido/a. Não vai danificar seus genitais, nem te dará grãos ou parar o seu crescimento. Não esgota seus órgãos ou destrói qualquer outro tipo de sexo.


De fato, a masturbação pode ser boa para ti. Aqui nós temos alguns benefícios da mesma:



  • A masturbação é mais segura do que qualquer outro tipo de sexo. Você não pode engravidar ou contrair uma doença de transmissão sexual ao masturbarte.

  • A masturbação pode ajudá-lo a aprender o que gosta ou não fazer sexualmente. E se você decide ter sexo com alguém, pode saber o que você quer fazer e o que não. Um EXTRA: o sentir-se confortável/a falando de sexo e de seu corpo com o seu parceiro também facilita o poder conversar sobre como se proteger contra as DST.

  • Explorar o seu corpo e aprender sobre aquilo que se produz o prazer sexual pode ser empoderador e ajudá-lo a melhorar sua imagem corporal.

  • A masturbação pode diminuir os níveis de estresse e ajudar a relaxar. Até ajuda a algumas pessoas a ficar dormentes.

  • Ter um orgasmo libera endorfinas -substâncias químicas que fazem você se sentir bem em seu cérebro. Os orgasmos podem ser calmantes naturais e podem ajudar com as dores menstruais.

  • A masturbação mútua (masturbarte com o seu parceiro) é uma maneira segura de fazer sexo e deixá-lo saber à outra pessoa o que te faz sentir bem. Se você compartilha um brinquedo sexual, use um preservativo para o brinquedo e lávalo antes de troca-lo. E se tocam os genitais entre si, lavem as mãos antes de tocar os próprios.

Posso contagiarme uma DST ao masturbarme?


Não. A masturbação é uma atividade sexual mais segura que existe. Não há possibilidade real de contrair uma DST ou qualquer outra infecção ao tocar seus genitais (nem engravidar). As ETS têm que ser transmitidas de pessoa a pessoa, assim que você não pode dar a si mesmo uma doença sexualmente transmissível. A única exceção é o herpes -então, se você tem uma ferida ou úlcera na boca e as tocas, certifique-se de lavar suas mãos antes de masturbarte.


Sim, é possível contrair uma DST, se te masturbas com outra pessoa tocando os genitais de ambos. Há risco de uma DST em todo o momento que o sêmen ou fluidos vaginais entram em contato com o corpo de outra pessoa ou os genitais se esfregam-se entre si. Se você tocar os genitais da outra pessoa, lave suas mãos antes de tocar seus genitais.


As DST podem também ser transmitidas ao compartilhar brinquedos sexuais com outra pessoa. Você pode proteger-se ao uso de preservativos em qualquer brinquedo que você compartilha (mesmo se não têm forma de pênis). Coloca um preservativo cada vez que uma pessoa o use. Se você é o único que usa brinquedos sexuais, você não tem que se preocupar com as doenças sexualmente transmissíveis. Mas se você usa com outros, protege esses brinquedos tanto como faria com seus próprios genitais, você Marca com um preservativo!


É possível que masturbarte cause irritação ou infecção se o seu corpo é sensível da forma que te masturbas ou as coisas que você usa para masturbarte -mas isso não é o mesmo que uma DST. Cremes, Vaselina, óleos ou elementos saborizados ou aromáticos podem irritar a sua vulva e vagina. Se masturbar com força e sem lubrificação pode causar irritação por atrito. E germes de seu ânus podem causar infecções vaginais -bem que eu nunca coloque em sua xoxota algo que foi previamente em seu ânus sem lavá-lo ou cobri-lo com um preservativo.


Se você está preocupado com a possibilidade de ter uma doença sexualmente transmissível porque sente dor, comichão, ou outro desconforto nos seus genitais, consulte o seu médico ou com o seu centro de saúde de Planned Parenthood mais próximo.

Anterior Resumo

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em A Masturbação, você é boa para mim?

Informação sobre Gênero e Identidade de Gênero

O sexo, o gênero e a identidade de gênero estão relacionados, mas compõem diferentes partes de seu ser. Para muitos, o sexo, o gênero e a identidade de gênero se encontram alinhados. Mas não é assim para todos.


Qual é a diferença entre o sexo e o gênero?


Pode ser muito fácil confundir o sexo biológico (às vezes chamado de “sexo atribuído no momento de nascer”) com o gênero e a identidade de gênero. Se relacionam entre si, mas são diferentes.



  • Sexo é uma etiqueta geralmente dada primeiramente por um médico com base nos genes, hormônios e partes do corpo (como os genitais), com as quais nasceu. Inclui em sua certidão de nascimento e descreve o seu corpo como feminino ou masculino. O sexo, algumas pessoas simplesmente não se encaixa no feminino ou masculino. Isso é chamado de intersexo.

  • Gênero refere à forma como a sociedade pensa que temos que nos ver, pensar e agir como meninas e mulheres e crianças e homens. Cada cultura tem suas crenças e regras informais sobre como as pessoas devem agir com base em seu gênero. Por exemplo, em muitas culturas, esperam e incentivam os homens a ser mais agressivos do que as mulheres.

  • Identidade de gênero é como você se sente em seu interior e como expressa sua gênero através de sua vestimenta, comportamento e aparência pessoal. É um sentimento que começa cedo na vida.

As pessoas possuem amplas maneiras de expressar sua sexualidade. Aprenda mais sobre sexo e gênero.


O que significam os termos transgêneros e cisgénero?


A maioria das pessoas a quem se lhe atribui “feminino” ao nascer se sentem como meninas ou mulheres, assim como a maioria daqueles a quem se atribui “masculino” se sentem como crianças ou homens. Essas pessoas são as denomina cisgénero (ou quis).


Algumas pessoas têm uma identidade de gênero que não há frigobar com o sexo atribuído à nascença, por exemplo, nasceram com a vulva, vagina ou do útero, mas sentem-se e identificam-se como masculinos. Essas pessoas são transexuais (ou trans). Transgênero é a “T” em LGBTQ.


Trans também pode incluir pessoas que não se identificam com os papéis de gênero masculinos e femininos rigorosos. Outras pessoas que não se sentem nem feminino e masculino se auto-denominam “genderqueer” (gênero queer). Existem outros termos de identidade de gênero e etiquetas, mas não utilize termos como transgénerado, travesti, “tranny” ou ele-ela -são desatualizados e podem machucar. Sempre é melhor respeitar as palavras usadas pelas pessoas para se descreverem.


Saiba mais sobre sair do armário como transgênero, encontrar um médico amigável para os transgêneros ou dar apoio a uma pessoa trans.


O que significa intersexo?”


Algumas pessoas nascem com uma mistura de marcadores biológicos masculinos e femininos, o que dificulta a tarefa dos médicos ao atribuir um sexo feminino ou masculino. Essas pessoas são intersexo. Ser intersexo não é o mesmo que ser transgênero.


Isto é frequentemente causado por uma de muitas condições genéticas ou hormonais, e não é um problema médico. Além disso, é muito mais comum do que a gente pensa. Algumas pessoas sabem que o seu filho/a é intersexo ao nascer. Mas muitas pessoas não podem achar que são intersexo até atingir a puberdade ou mais tarde ainda.


Se você é intersexo, ou você pensa que pode sê-lo, é importante que fale com um médico que lhe inspire confiança. Nem todos os médicos estão em dia com a informação mais actual sobre as particularidades de ser intersexo. Você pode aprender mais sobre intersexo em nosso site da web ou verifica InterACT, uma rede para adolescentes e jovens adultos intersexo.


Publicado em SAUDE | Comentários desativados em Informação sobre Gênero e Identidade de Gênero

Falar de Sexo com seu Parceiro

Como eu digo ao meu parceiro o que eu gosto com relação ao sexo?


Às vezes você espera que um novo casal saiba o que fazer no sexo, mas depois você acaba decepcionado quando não se sente tão bem. Por sorte, existe uma forma muito simples de converter as relações sexuais simplesmente boas em uma experiência fantástica: a comunicação.


Todas as pessoas são diferentes, por isso que, por mais experiência que tenha o seu parceiro, pode não ter ideia do que me excita. Você tem que fazê-lo saber a seu parceiro o que é que te faz sentir bem, e o que você gosta. Também é bom manter as linhas de comunicação abertas, mesmo se você e seu parceiro levam juntos um tempo, porque o que os faz sentir bem, ou o que lhes interessa fazer pode mudar com o tempo.


Algumas pessoas descobrem que gostam quando têm relações sexuais com outras pessoas, em troca, outros conhecem o seu corpo, enquanto se masturbam. Aprender a ter orgasmos por si mesmo pode facilitar que você tem com outra pessoa.


Onde queres que te tocar? Com quanto de pressão? Quão rápido ou quão lentamente? Você pode mostrar ao seu parceiro o que você gosta masturbándote na frente dela ou guiándole a mão, boca ou qualquer outra parte do corpo. Ou, você pode dizer que você gosta (ou que não).


É possível que falar de sexo te dê um pouco de medo, ou que te faça sentir desconfortável, mas também pode ser uma boa maneira de se excitar-se. E pode ser que seu parceiro te agradeça tirar o tema. Se você está nervoso, você sempre pode começar perguntando o que você gosta ou que tipo de atividades sexuais mais lhe interessam. Então você pode dizer que gosta de você. Também é uma boa oportunidade para que eles saibam quais são os seus limites e que tipo de relações sexuais NÃO se interessam.


Como falo com meu parceiro sobre sexo mais seguro?


Proteger-se mutuamente contra gravidezes não planejadas ou doenças de transmissão sexual (DST) demonstra que se preocupam com o outro e pode até melhorar a relação. É normal que ao princípio lhe dê um pouco de vergonha, mas você vai se sentir melhor uma vez que você tenha começado a falar. Seu parceiro, provavelmente, será feliz que você tenha expulso o tema. O melhor momento para falar sobre sexo mais seguro é ANTES de ter relações sexuais.


Uma boa forma de começar é dizer ao seu parceiro que você se importa e que quer fazer todo o possível para protegê-lo e proteger a relação. Você também pode começar contando a sua própria história sobre o sexo seguro; é possível que isso lhe permita abrir. Também é uma boa ideia sugerir que se façam testes em conjunto para dar apoio.


Aqui vão algumas perguntas que você pode fazer com o seu parceiro antes de ter relações sexuais:



  • Qual é o melhor método contraceptivo para nós?

  • Quando foi a última vez que você fez testes de DST?

  • O que ETS te fizeste o teste?

  • Você usa preservativos ou barreiras de látex bucais com regularidade?

  • Alguma vez partilhou agulhas com alguém para fazer tatuagem, piercing ou para drogarte? (Algumas DST, como o vírus da imunodeficiência humana (HIV) é transmitida desta forma, e você pode transmitírselas a seu parceiro em uma relação sexual).

  • Você teve alguma DST? Quais? Você recebeu tratamento?

Se o seu parceiro se recusar a fazer testes, ou usar de proteção, isso pode ser um sinal de uma má relação. Se alguém se recusa a fazer sexo mais seguro quando o seu sim desejar, isso significa que não se importa com a sua saúde; portanto, talvez não seja a pessoa indicada para ter uma relação afetiva ou sexual. Merece estar seguro, saudável e feliz.


Como faço para negar-me a uma relação sexual?


Você tem direito a negarte a participar em qualquer tipo de atividade sexual. Não confie em linguagem corporal, nem espere que compreendam a sugestão de que não se interessa. Se você não quiser fazer algo, niégate. Não importa se você já teve relações sexuais com essa pessoa, nem qual é a razão por que não deseja fazê-lo. Não, não significa.


Também tem direito a mudar de opinião durante a relação sexual. Talvez você começou a ter relações sexuais e, em seguida, você decidiu que não se sentiu confortável, ou que não se fazia sentir bem. Você pode pará-lo quando quiser, e o seu parceiro não deve fazer você se sentir mal ou culpado por isso. Se o fizer, é provável que você esteja em um relacionamento má.


Consentimento significa dizer “sim” e dizer com sinceridade. Sem esse “sim”, não há consentimento. Se o seu parceiro te obriga a ter relações sexuais, é uma violação. Se você é forçado a fazer qualquer outra coisa de natureza sexual, é uma agressão sexual. Que se violem ou se agredan sexualmente nunca é sua culpa.

Anterior Como posso ter um bom sexo?

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Falar de Sexo com seu Parceiro

Como falar com o meu filho em idade escolar (ensino fundamental) sobre sexo e sexualidade

Poder conversar com seus filhos sobre sexualidade os ajuda a manterem-se saudáveis e fortalece sua relação. Há diferentes maneiras de começar esta conversa sobre sexo e sexualidade, e isso se torna mais fácil com o tempo e a prática.


O que devo ter em conta?


As crianças/as estão cheios de perguntas. Precisam de respostas, mas nem sempre precisa de todos os detalhes. É importante ser honesto, preciso e franco ao responder suas perguntas sobre o sexo, mas isso não significa abrumarlo com muita informação. Com crianças mais pequenas, menos é mais; começa com a explicação mais simples, e só dá mais detalhes se você tiver outras perguntas ou parece muito interessado no tema da conversa.


Uma forma de guiar a conversa é saber que as coisas do seu filho/a já sabe, ou pensa, e o que realmente está tentando descobrir. O que parece uma pergunta direta para os adultos, pode ser algo diferente de tudo o que seu filho quer saber.


Por exemplo, se uma criança pergunta: “Porque é que eu tenho um pênis?”, na verdade, você pode estar se perguntando por que ao tocá-lo ele se sente prazer, ou porque o seu corpo é diferente do de sua irmã, ou que jogue o pau na reprodução. Para saber o que é realmente o que pergunta, pode dizer: “É uma boa pergunta, o que te fez pensar isso?” ou como podes dizer-me o que já sabe sobre isso?” ou “qual você acha que é a resposta?”


Falar com seus filhos sobre sexualidade não vai fazer com que tenham sexo prematuramente. Dar a seus filhos uma informação apropriada para a sua idade sobre a sexualidade não incentiva um desenvolvimento sexual doentia. De fato, vários estudos demonstram que as crianças que falam com seus pais sabem sobre o tema têm maiores possibilidades de esperar para ter sexo até ser maiores e usar contraceptivos/preservativos quando finalmente o fazem.


Você pode responder suas perguntas honestamente enquanto que explicar que o sexo é algo que só os adultos fazem. Nesta idade, as crianças podem estar fascinados com seus corpos, e o conceito do sexo, mas geralmente pensam que é algo estranho ou desagradável.


Ao dar ao seu filho/a informação apropriada para a sua idade, isso ajuda a desenvolver uma relação saudável com seu corpo e com o sexo à medida que cresce. Também será mais fácil conversar sobre os aspectos mais complicados de manter relações íntimas (como é o consentimento, o sexo seguro e as relações saudáveis) à medida que vão crescendo.


Planeja prender muitas conversas casuais e curtas, e confia nos momentos de ensino que se apresentem. Não se preocupe se você não tiver começado ainda a falar de sexualidade com seus filhos. Nunca é tarde. Não tente ficar com tudo de uma vez. Muitos pais planejam (ou sentem terror), a “grande conversação” durante muito tempo, esperando ter uma conversa que cubra todos os aspectos importantes de uma só vez. Mas falar com seus filhos sobre sexualidade funciona melhor se coloca-se como uma conversa contínua. Então prepare-se para sustentar muitas pequenas conversas durante a sua infância, e ir fornecendo mais informações à medida que eles crescem. Desta forma, é menos assustador para ti e para teu filho/a.


Não se estresses muito em encontrar o momento perfeito para conversar. A vida cotidiana fornece várias oportunidades para falar sobre sexualidade (por exemplo, perguntar sobre seus genitais durante a hora do banho, encontrar-se com uma vizinha grávida, ou ouvir outros falando sobre sexo na tv). Também podem ouvir coisas em seu mundo cotidiano que lhes gera perguntas. Estes momentos de ensino aparecem o tempo todo, e ajudam a que as conversas se tornem mais fáceis e naturais.


Como falo de sexo com o meu filho/a?


O mais importante é ser honesto, manter-se aberto e disponível para quando ele/ela quer falar, e incentivar suas perguntas e aprendizagem quando está pronto para fazê-lo. É normal se sentir um pouco estranho durante algumas destas palestras, mas lembre-se que as crianças mais pequenas nem sempre se dão conta de quão difícil é para os adultos – falar sobre estes temas.


Se reaccionas negativamente ou se recusar a responder, isso envia a mensagem para que a curiosidade natural de seu filho/a é má, e que não é seguro ir ao senhor com suas perguntas -isso também pressupõe que buscará informações de outras fontes, como a de seus amigos ou internet. De forma que, mesmo quando você se sentir desconfortável/a, tenta manter a calma e falar em um tom positivo.


Ao falar com crianças menores, é comum que os pais só inscrevam o sexo como “algo que os adultos fazem quando querem ter um bebê”. Claro que esta é uma boa razão para ter sexo, mas também é bom que as crianças compreendam como o sexo está relacionado com a gravidez. Também é bom e positivo que as crianças compreendam que os adultos têm sexo, por outras razões, também, para sentir prazer ou para expressar seu amor e se sentir perto do seu parceiro.


É importante que as crianças saibam quem são os adultos de confiança dos que ir com perguntas ou dúvidas relacionadas com a sexualidade. Por outro lado, é importante ensinar quais são os limites adequados no que diz respeito ao sexo. Devem saber que, mesmo quando o sexo e os corpos são algo natural e nada de vergonhoso, também são algo privado. Isso se traduz em não falar sobre isso na casa de amigos, uma vez que cada casa tem regras diferentes. Também pode significar apenas falar sobre estes assuntos com adultos que você identifica como confiáveis e seguros. Você pode dizer o seguinte: “Eu estou contente que me faça todas essas perguntas, pode perguntar o que quiser. Existem outras pessoas a quem você poderia perguntar se eu não estou disponível?” O Que te parece teu irmão, ou a tia Molly, ou o Dr. Jones? E Com quem/é não falamos sobre esses assuntos privados?”


O que devo fazer se vejo o meu filho/a se masturbar?


É totalmente normal que as crianças de todas as idades tocar seus genitais. A maioria aprende desde pequenos que seus órgãos genitais são sensíveis e que tocá-los faz com prazer.


Como reaccionas ante este fato envia mensagens fortes. Ficar com raiva, bater-lhe na mão para distrair ou agir com asco pode impor vergonha e culpa e impactar negativamente sobre eles à medida que crescem. É normal sentir um pouco de desconforto ao ver seu filho/a se masturbar, mas tenta manter a calma e lembrar que é um comportamento perfeitamente normal e saudável.


É importante não constranger o seu filho/a para tocar seus genitais, mas também o é o de ensinar-lhe limites saudáveis sobre si mesmo e outros. Devem compreender que a masturbação é confidencial e não é apropriado fazê-lo na frente de outras pessoas. Você pode dizer: “eu Sei que isso te faz sentir bem, e muitas pessoas o fazem. Mas só pode fazê-lo em um local privado, como o seu quarto ou o banheiro”.


O que fazer se meu filho/a me descobre ter sexo?


Tenta não te assustar. É natural que te de vergonha, mas não é prejudicial que o seu filho/a sabe que os adultos têm sexo.


A melhor maneira de responder é manter a calma e conversar com eles em outro momento como uma questão de fato sobre o que aconteceu. Nesse instante, você pode dizer algo semelhante a: “Estamos em um momento privado. Você pode, por favor, feche a porta e sair a jogar no seu quarto? Está OK se ter gritado naquele momento-certifique-se de pedir desculpas mais tarde e explicar que só te surpreendeu, de forma que o seu filho/a não sentir que fez algo terrível.


Depois, ao falar com eles, começa por perguntar o que viram e se têm alguma dúvida. As crianças mais pequenas podem se preocupar se você estava ferindo a outra pessoa, ou brigando, então, dize-lhes que os dois estão bem. Pode ser que sintam curiosidade e tenham muitas perguntas, o que é normal. Uma boa mensagem básico sobre sexo é que é um evento privado, que os adultos fazem para se sentir bem juntos e expressar seu amor. E explica que esta expressão de amor é diferente da maneira em que pais e filhos demonstram seu carinho. Você também pode conversar sobre privacidade, e a necessidade de bater na porta antes de entrar nos quartos de outras pessoas.


Como se processa o seu filho/a o que aconteceu depende de sua idade, sua capacidade de reação e se você já teve (ou não) conversas apropriadas para a sua idade, sobre o sexo. Trata de pensá-lo como uma oportunidade para normalizar a sexualidade e mostrar que está disposto a responder suas perguntas.

Anterior Como falar com o meu filho em idade escolar (ensino fundamental) sobre gravidez e reprodução?

Publicado em ECO | Comentários desativados em Como falar com o meu filho em idade escolar (ensino fundamental) sobre sexo e sexualidade

Dicas sobre como ter um relacionamento grande

Como posso ter uma boa relação?


Conectar-se com alguém de forma sentimental, emocional e física pode ser grande. Mas há que fazer muito trabalho para construir uma boa relação.


Quais são as bases de um bom relacionamento?


Nenhuma relação é perfeita o tempo todo. Mas em um relacionamento saudável, as pessoas se sentem bem a maior parte do tempo. Para ter uma boa relação, é preciso mais que atração, é necessário trabalho e que os dois estejam dispostos a fazer o esforço. Estas são algumas dicas para construir um relacionamento saudável:



  • Quiérete. Estar confortável com você mesmo faz com que você seja mais feliz com um parceiro.

  • Comunique-se. Converse com seu parceiro sobre seus sentimentos. Faça perguntas e ouvir as respostas. Se você se sente incomodado, etc. Não faça com que seu parceiro adivinhe o que se passa. Falar dos problemas gera confiança e fortalece a relação. E não se trata de como lidar com os problemas, não se esqueça de dizer ao seu parceiro quando ele faz algo que te faz feliz.

  • Seja honesto. Sejam sinceros com relação ao que fazem, pensam e sentem. A honestidade gera confiança. Poucas coisas prejudicam tanto a uma relação como as mentiras.

  • Permita-se ter um pouco de espaço. O tempo em casal é o ideal, mas estar o tempo TODO juntos, não é. É bom que cada um tenha os próprios amigos e interesses fora da relação.

  • Aceitem que não estão de acordo. Nem sempre podem ver as coisas da mesma maneira, e isso é bom. O importante é respeitar as opiniões e idéias do outro.

  • Perdoa e pede perdão. Todos nós cometemos erros. Você deve estar disposto a pedir perdão por seus pecados e aceitar as desculpas de seu parceiro.

  • Apóyense. Quando seu parceiro faz algo grandioso, diz. Seu parceiro deve fazer o mesmo por ti.

  • Fala sobre sexo… De forma aberta e honesta. Dizer ao seu parceiro o que te faz sentir bem, o que você gosta e o que não, contribui para que tenham melhores relações sexuais. Nunca pressões para o seu parceiro para que ele faça algo que não deseja fazer, nem deixe que seu parceiro se pressione. O consentimento é obrigatório.

  • Cuide de sua saúde sexual. Converse com seu parceiro sobre como vão proteger contra as doenças sexualmente transmissíveis (DST) e gravidez não planejadas. Pratique sexo mais seguro e faça os testes de DST.

Como posso saber se o meu relacionamento é saudável?


Avaliar, ainda, se você se sente bem com a sua relação, é uma boa prática. O questionário que se segue concentra-se nas relações sexuais e sentimentais, mas também se pode aplicar a outros tipos de relações. Depois de responder o questionário, pode ser útil voltar a responderlo a partir da perspectiva do seu parceiro.



  • O seu parceiro escuta e respeita as suas ideias?

  • O seu parceiro lhe dá espaço para que passes o tempo com seus amigos e sua família?

  • Quem curte passar o tempo com seu parceiro?

  • Você se sente confortável, dizendo ao seu parceiro quando há algo que te incomoda?

  • Você se sente confortável ao compartilhar seus pensamentos e sentimentos?

  • Você pode dizer ao seu parceiro o que você gosta em relação ao sexo?

  • O casal se esforça para conviver com seus amigos e familiares?

  • O seu parceiro está orgulhosa de suas realizações e os seus sucessos?

  • O seu parceiro te respeita quando pensam diferente?

  • Você pode falar com seu parceiro sobre métodos contraceptivos ou de sexo mais seguro?

As relações podem ser complicadas, mas se a resposta a todas essas perguntas foi “sim”, é muito provável que a relação que você seja saudável. Se a sua resposta a duas ou mais perguntas foi “não”, você poderia estar em uma relação má.


Como posso melhorar meu relacionamento?


Manter seu relacionamento em boa forma, definitivamente, não é tarefa fácil. Converse com seu parceiro sobre o que você acha que poderia melhorar. Seja claro sobre o que te incomoda e seja respeitoso.


A boa comunicação é uma importante ferramenta para resolver problemas. Se você tem problemas para resolver as coisas por si mesmo, considera-se a possibilidade de procurar a ajuda de uma pessoa externa ao casal. Às vezes, falar com um conselheiro ou psicólogo pode ajudar a que as pessoas resolvam seus problemas e melhorar sua relação.

Seguinte, o Que faz com que uma relação seja má?

Publicado em SAUDE | Comentários desativados em Dicas sobre como ter um relacionamento grande

Dizer “Não” ao Sexo | Dicas e conselhos para dizer “Não”

Nesta Seção

Às vezes é difícil dizer que não quer ter sexo com alguém que você gosta. Mas é importante falar sobre o que você quer fazer e o que não, em termos de sexo.

Como digo “não” ao sexo?

Dizer “não” ao sexo deveria ser tão simples como dizer NÃO. Mas, na verdade, você pode se sentir pressionado/a, culpado, manipulado e/ou forçado ao tentar dizer “não”. Pressionar a outra pessoa para que tenha o sexo nunca é bom e merece que se respeitem os seus limites.

Pode parecer que todos estão tendo o sexo, mas a verdade é que a média de idade das pessoas que começam a fazer sexo é de 17 anos e muitos esperam mais. Você tem o direito de decidir quando estás pronto para fazer sexo, e a dizer “não” ao sexo em qualquer momento, com qualquer pessoa, por qualquer razão (mesmo se já teve sexo acima). Mas dizer que “não” ao sexo pode ser difícil, especialmente se você não tinhas pensado com antecedência, no momento que eu precisava.

Você não pode falar de sexo sem falar de consentimento. Se você não quiser ter sexo se você tem que dizer para o seu parceiro.

Se o seu namorado ou namorada te pressiona ou ameaça romper com você, porque não quiser fazer sexo ou fazer coisas sexuais, pode ser um sinal de que você está em uma relação pouco saudável.

É realmente importante respeitar a decisão do outro, se o seu namorado ou namorada diz que “não” quer ter sexo. Dizem “não” ao sexo, não a ti. É sobre isso que trata o consentimento.

Quais são algumas dicas para dizer “não” para ter sexo?

“NÃO” é uma palavra muito simples. Mas dizer “não” pode ser difícil se você disser a alguém que quiser. Aqui compartilhamos algumas dicas para dizer “não” para ter sexo:

  • Tenha confiança e tenha claro o que você quer. Isso significa pensar porque quer esperar antes de encontrá-lo em uma situação sexual.
  • Diga “não”. Não deve a ninguém (mesmo a pessoa que você ama) uma explicação sobre porque não quer fazer o que eles querem que você faça. Você pode explicá-lo se quiser, mas você não tem que fazê-lo.
  • Dei o que você quer fazer: beijar, tocar, ou assistir a um filme juntos, etc.
  • É direto e claro. Veja-o/a para os olhos e use um tom de voz sério.
  • Você pode também dizer-lhe que você gosta ou que o/a ama, mas que não está pronto ainda para ter sexo.

Anterior Resumo SiguienteConversa com seu parceiro sobre sexo

Publicado em ADULTO | Comentários desativados em Dizer “Não” ao Sexo | Dicas e conselhos para dizer “Não”