Acidentes em casa, mais frequentes em época de férias

Ao contrário do que se pensa, o período de férias pode se tornar trágico, sem precauções adequadas, pois os acidentes em casa aumentam 30%, especialmente em crianças. Os especialistas recomendam ter cuidados e monitorar as crianças.


Com a chegada das férias, os pais de família enfrentam outro tipo de problemas, agora em casa. Isto se deve a que a casa é o lugar onde ocorre a maior quantidade de incidentes que, em sua maioria, deixam sequelas para a saúde.


Acidentes em casa, mais frequentes em época de férias


De acordo com o Comitê de Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS), os acidentes são eventos não premeditados cujo resultado são danos pessoais identificáveis. Trata-Se, pois, de eventos que involuntariamente decorrentes de lesões nas pessoas envolvidas, e apesar de serem espião numa sede de comando, devem ser realizadas diversas ações para mantê-los à margem.


Os mais comuns


Dizem que “a curiosidade matou o gato”, e esta frase é totalmente aplicável em crianças, que por estar mais tempo em casa passam a vasculhar, elaborando algum jogo para divertir-se e explorar o meio.


“Os acidentes caseiros são mais frequentes quando os pequenos têm fome, ou estão cansados, ou, se são muito ativos, estão sob o cuidado de pessoas diferentes das habituais, ou encontram-se em ambiente diferente (nova casa ou residência de verão, por exemplo). Além disso, geralmente os imprevistos ocorrem quando os pais estão ocupados ou não têm plena consciência dos riscos que a criança vai adquirindo à medida que cresce”, adverte a Dra Maria Luiza Hernandez Lagos, pediatra formado pela Universidade Autônoma Metropolitana (UAM) e especializada no Centro Médico Nacional, Século XXI, do Instituto Mexicano do Seguro Social (IMSS), localizado na Cidade do México.


As estatísticas revelam que é durante a temporada de férias de verão, quando os acidentes em crianças aumentam até 30%, sendo as consequências mais frequentes queimaduras, traumatismos craneoencefálicos (socos na cabeça), fraturas em ossos longos (braços e pernas) e intoxicações por ingestão de medicamentos e produtos de limpeza.


De acordo com a entrevistada, entre a ampla gama de acidentes, destacam-se:



  • Queimaduras. Produzidas pelo Sol, fogões, lâmpadas, cerillos, charutos, fogueiras e líquidos quentes conteúdos em uma panela, banheira ou aquecedor.

  • Golpes na cabeça. Por causa de quedas, cadeiras, camas e outros móveis ou escadas.

  • Intoxicações. Geradas pelo consumo de medicamentos, produtos de limpeza ou jardinagem, inseticidas, tintas, solventes, adesivos, combustíveis, perfumes e bebidas alcoólicas.

  • Atragantamiento. Por comida ou objetos, ou bem, bloqueador provocada por cordas, fitas ou cordões de brinquedos e aparelhos domésticos.

  • Objetos parados em alguma fossa nasal. Pequenas pedras, pastilhas, peças de brinquedos, feijão ou ervilhas.

  • Cortaduras e arranhões. Produzidas por unhas afiadas (quer sejam as da criança ou adulto), garras de animais ou objetos punzocortantes.

  • Fraturas e entorses. Por causa de quedas, batidas ou atropellamiento. Cabe destacar que os infantes se quebram os ossos com maior facilidade que os adultos, porque têm áreas moles nas extremidades de cada estrutura óssea, chamadas “placas de crescimento”.

  • Contusões. Hematomas causados por quedas ou pancadas.

  • Problemas nos olhos. Causados por poeira, areia ou outro tipo de elementos estranhos.

Mais vale prevenir


Considera-se que mais da metade dos acidentes acontecem em casa e que nos três primeiros anos de vida, este percentual sobe para mais de 80%. Diante disso, a Secretaria de Saúde convida toda a população a apreciar prazeroso e seguro período de férias, por isso exorta-os a tomar as medidas de precaução necessárias para se manter saudável dentro e fora de casa.


Em casa:



  • Guarde os medicamentos e produtos de limpeza, debaixo de chave e fora do alcance de crianças.

  • Não coloque substâncias tóxicas em embalagens de refrigerante.

  • Use inseticidas longe dos alimentos.

  • Para evitar que seu filho sofra afogamento, não deixe recipientes com água perto dele.

  • Não deixe que o pequeno ligue aparelhos elétricos.

  • Evita que as crianças brinquem na cozinha.

  • Evita que corram ou brinquem nas escadas ou perto delas.

  • Coloque protetores de plástico para os plugues ou tomadas de corrente eléctrica.

  • Não deixe que o pequeno se aproxime do fogão ou aquecedor.

  • Não carregue a teu filho enquanto cozinhas.

  • Impede que as crianças brinquem com objetos punzocortantes.

Na rua ou em lugares públicos:



  • Anda pela calçada.

  • Atravessa a rua nos cantos.

  • Antes de atravessar uma avenida ou rua, virar para ambos os lados e caminha com cautela.

  • Não cruzes correndo.

Fora de casa:



  • Não se exponham por tempo prolongado ao Sol, especialmente nas horas em que a radiação é mais forte (11:00.m. às 4:00 p. m.).

  • Evita que as crianças brinquem em locais descobertos ou que estejam sem camisa, já que o Sol pode causar lesões graves, como queimaduras que, em muitos casos, favorecem o desenvolvimento do câncer da pele.

  • Utilizar sempre protetor solar para se defender dos raios ultravioleta (UV).

  • Lembre-se também de comer em lugares limpos, lavar as mãos antes de comer e depois de ir ao banheiro, beber somente água fervida ou engarrafada, e preferir peixes e frutos do mar fritos ou cozidos.

Na estrada:



  • Verifica-se que o desempenho de seu veículo seja adequado e que tudo esteja em ordem e em bom estado: pneus, freios, óleo, gasolina, luzes e ferramentas.

  • Usam sempre o cinto de segurança.

  • Respeita os limites de velocidade.

  • Não deixe que ninguém se saboreie ou tire alguma parte de seu corpo do auto.

  • Se você dirige, não ingieras bebidas alcoólicas.

  • Evita ir ao volante quando você se sente cansado e, se o percurso for longo, procure tomar curtos períodos de descanso de, pelo menos, a cada quatro horas.

  • Respeita os sinais de trânsito.

Sempre acompanha e permanece atento às atividades dos pequenitos, embora, é claro, isso não significa que lhes causar temor ou medo, já que também é importante que aprendam a saber onde está o perigo, sem sobreprotegerlos.

Esta entrada foi publicada em ECO. Adicione o link permanente aos seus favoritos.